DSpace logo

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorioinstitucional.uea.edu.br//handle/riuea/2569
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorJacaúna, Carmen Lourdes Freitas dos Santos-
dc.date.available2020-04-21-
dc.date.available2020-04-21T03:10:00Z-
dc.date.issued2012-10-05-
dc.identifier.urihttp://repositorioinstitucional.uea.edu.br//handle/riuea/2569-
dc.description.abstractEl agua es uno de los elementos más importantes para los seres vivos. La preservación y el uso de este recurso es de vital importancia para la supervivencia de las especies en el planeta. La escasez de agua está relacionada con el mal uso y la contaminación causada por los seres humanos. Una de las alternativas para cambiar esta situación es la de educar en todos los ámbitos de la vida, para crear conciencia sobre este elemento vital. En este trabajo se presenta una propuesta para trabajar en la escuela el tema del agua, como factor de incentivación en la alfabetización ecológica de los estudiantes de 5º grado de la escuela primaria, usando el espacio educativo no formal de aprendizaje como son los ambientes acuíferos de la ciudad de Parintins-AM. El trabajo fue diseñado a partir de las observaciones realizadas en la laguna de la Francesa, que está en proceso de degradación. Este cuadro ambiental y educacional dio lugar a las actividades de investigación de los docentes acerca de cómo se podría trabajar prácticas educativas que lleven a los estudiantes a la alfabetización ecológica, lo que les permitira cuestionar, aprender, formular conceptos y actuar en defensa de la preservación y conservación del medio ambiente de los acuíferos de Parintins. Análisis cualitativos de los datos sugieren que la escuela a través del profesor debe incentivar al estudiante a investigar, levantar, comprobar, refutar hipótesis, construir su conocimiento a través de su interacción con el entorno en el que viven, reconociendo, por tanto, el diálogo entre el individuo y el medio ambiente en una acción contextualizada, y para que através de ese conocimiento encuentre soluciones científicas a los problemas del agua que está presente en nuestra sociedad.pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade do Estado do Amazonaspt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/*
dc.subjectAlfabetização Ecológicapt_BR
dc.subjectAmbientes Aquíferospt_BR
dc.subjectEspaços Não Formaispt_BR
dc.titleO tema água como incentivador na alfabetização ecológica dos alunos do 5º ano do ensino fundamentalpt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.date.accessioned2020-04-21T03:10:00Z-
dc.contributor.advisor1Fachín Terán, Augusto-
dc.contributor.referee1Fachín Terán, Augusto-
dc.contributor.referee2Chassot, Áttico Inacio-
dc.contributor.referee3Barbosa, Ierece dos Santos-
dc.contributor.referee4Noronha, Evelyn Lauria-
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/6875284521398275pt_BR
dc.description.resumoA água é um dos elementos mais importantes para os seres vivos. O uso e preservação deste recurso são de vital importância para a sobrevivência das espécies no planeta. A escassez da água está relacionada ao mau uso e poluição por parte do homem. Uma das alternativas para mudar esta situação é educar as pessoas em todos os níveis sociais, até criar consciência sobre este vital elemento. Apresenta-se neste trabalho uma proposta para trabalhar na escola o tema água, como incentivador na Alfabetização Ecológica dos alunos do 5º ano do Ensino Fundamental, tendo como espaço educativo não formal de aprendizagem, os ambientes aquíferos da cidade de Parintins-AM. A pesquisa foi idealizada a partir de observações realizadas na lagoa da Francesa, que encontra-se em vias de degradação. Este quadro ambiental e educacional incentivou a investigação de ações educativas dos professores sobre como poderiam ser trabalhadas práticas educativas que conduzam a uma Alfabetização Ecológica dos estudantes, tornando-os aptos para questionar, conhecer, formular conceitos e agir em defesa da preservação e conservação dos ambientes aquíferos de Parintins. As análises qualitativas dos dados obtidos sugerem que a escola por intermédio de professor oportunize o estudante a pesquisar, levantar, comprovar, refutar hipóteses, construir seu conhecimento por meio de sua interação com o meio onde vive, reconhecendo, portanto, o diálogo existente entre o indivíduo e o meio ambiente em uma ação contextualizada para que possa por meio do conhecimento científico encontrar soluções para a problemática da água que está presente em nossa sociedadept_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.programPROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO E ENSINO DE CIÊNCIAS NA AMAZÔNIApt_BR
dc.relation.referencesAMARAL, I. A. MEGID NETO, J. Qualidade do livro didático de Ciências: o que define e quem define? Ciência & Ensino, Campinas, n.2, p. 13-14, jun.1997. ANTUNES, Fátima. Políticas educativas nacionais e globalização: novas instituições e processos educativos. Braga: Universidade do Minho, Instituto de Educação e Psicologia, 2004. APPOLINÁRIO, Fábio. Metodologia da Ciência: Filosofia e Prática da Pesquisa. São Paulo: Cengage Learning, 2009. ARAÚJO, Fabiana da Silva; AMARAL, Edenia Maria Ribeiro. Análise de atividades em uma sequência didática sobre qualidade e tratamento de água, com base nos trabalhos de Leontiev (1985) e Méheut (2005) disponível em <http://www.eventosufrpe.com.br/jepex2009/cd/resumos/R0896-1.pdf>. Acesso em: 23 jul.2012. BARBOSA, Ierecê [et.al]. Avanços e Desafios em Processos de educação em Ciências na Amazônia. Manaus:UEA/Escola Normal Superior/PPGE-ECA, 2011. BARLOW, Maude. Água, Pácto Azul. A Crise Global da Água e a Batalha pelo controle da Água Potável no Mundo. São Paulo: M Books do Brasil. 2009. BELMIRO, C. A. A imagem e suas formas de visualidade nos livros didáticos de Português. Educação & Sociedade, ano XXI, no 72, Agosto/00 p. 11-31 BIZZO, N. Intervenções alternativas no ensino de Ciências no Brasil. In: Encontro Perspectivas do Ensino de Biologia, 6. Anais. São Paulo, 1997. p. 94-99 BOFF, L. O despertar da Águia. O dia-bólico e o sim-bólico na construção da realidade, Petrópolis, Vozes 1998. BOUGUERRA, Mohamed Larbi. As batalhas da Água. Por um bem comum da humanidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004, p.238 BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Introdução. Brasília: MEC/SEF, 1997. BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: ciências naturais. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000. ________. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: apresentação dos temas transversais, ética / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998. CAPRA, Fritjof. et.al. Alfabetização Ecológica: a educação das crianças para o mundo sustentável. São Paulo: Cultrix, 2006. _______. Fritjof. A Teia da Vida. São Paulo: Cultrix, 2003. _______.Fritjof. Alfabetização Ecológica: o desafio da educação no próximo século. Florianópolis: IPAB, 1999. CARNEIRO, M. H. Imagens do Livro Didático. In: Moreira, M. A. et al (org). Atlas do I Encontro de Pesquisa em Educação em Ciências. Águas de Lindóia/SP, 23 a 26 de novembro, p. 236-273. CARVALHO, A. M. P., et al. Ciências no Ensino Fundamental. São Paulo, Scipione, 1998. CARVALHO, Anna M. Pessoa de; PÉREZ, Daniel Gil. Formação de Professores de Ciências. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2000. CARVALHO, R. E. Educação inclusiva: com os pingos nos “is”. Porto Alegre: Mediação, 2004. CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2011. CASTROGIOVANNI, A. (org). Ensino de geografia: práticas e textualizações no cotidiano. 3.ed. Porto Alegre: Mediação, 2003. CAVINATTO, Vilma Maria. Saneamento Básico: fonte de saúde e bem-estar. São Paulo: Moderna, 1992. CHASSOT, Attico. Alfabetização Científica: questões e desafios para a educação. Ijuí: Unijuí, 2003. CUNHA, Ana Maria de Oliveira. Ensino de ecologia em espaços não formais. São Lourenço – MG. Disponível em: <http://www.seb-ecologia.org.br/2009>. Acesso em: 12 jan.2012. DIAS, Genebaldo Freire. Atividades interdisciplinares em educação ambiental: práticas inovadoras de educação ambiental. 2 ed. rev. apl e atual. São Paulo: Gaia, 2006. DOHME, Vania; DOHME, Walter. Ensinando a criança a amar a natureza. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. DUALIBI, Mirian. Alfabetização Ecológica: do que estamos falando? São Paulo: Instituto Ecoar, (s.d). ESTEBAN, María Paz Sandin. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Porto Alegre: AMGH, 2010. FAZENDA, Ivani C. A. Práticas interdisciplinares na escola. 2 ed.São Paulo: Cortez, 1993. _______ . Interdisciplinaridade: qual o sentido? São Paulo, Editora Paulus, 2003. GADOTTI, Moacir. Educar para a sustentabilidade: uma contribuição à década da educação para o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2009. GOMES, M. M. Conhecimentos ecológicos em livros didáticos de ciências. In: Colóquio Sobre Questões Curriculares, 7.; Colóquio Lusobrasileiro, 3., 2006, Braga, PT. Anais... Braga, 2006. JAPIASSU, Hilton. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976. KIMURA, Solenise Pinto Rodrigues. Caracterização de Carga Poluente na Lagoa da Francesa, no município de Parintins/AM. Campinas: UNICAMP, 2011. LAGO, Antônio; PÁDUA, José Augusto. O que é ecologia. São Paulo: Brasiliense, 1984. LOUREIRO, C. F. B; Trajetória e fundamentos da educação ambiental. São Paulo: Cortez, 2004. LEFF, E. Saber Ambiental. Petrópolis-RJ: Vozes, 2001. LEFF, Enrique. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder; tradução de Lúcia Mathilde Endlich Orth. 8. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. LIBÂNEO, José Carlos. Didática. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1994. MACEDO, Elizabeth. A Imagem da Ciência: folheando um livro didático. Educação e sociedade: Revista de Ciência da Educação/ Centro de Estudos Educação e Sociedade. Vol. 25, No. 86. Janeiro/abril. 2004. MARCONI, M. D. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução depesquisa, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1999. MARMOS, Jose Luiz; AGUIAR, Carlos José Bezerra. Avaliação do Nível de Contaminação dos Aqüíferos da Cidade de Parintins (AM): Primeiros Resultados. Serviço Geológico do Brasil-CPRM/Manaus, AM. Disponível em: <http://www.cprm.gov.br/publique/media/Painel21.pdf>. Acesso em 25 mar.2012. MERTEN, G. H., MINELLA, J. P. Qualidade da água em bacias hidrográficas rurais: um desafio atual para a sobrevivência futura. Revista Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável. Ano 3, n. 4, out./dez. 2002. MOLON, S. I. As contribuições de Vygotsky na formação de educadores ambientais. In: LOUREIRO, C. F.; LAYRARGUES, P. P. ; CASTRO, R. S. (orgs.). Repensar a Educação Ambiental: um olhar crítico São Paulo: Cortez, 2009. p. 141 – 172. MORAES, Maria Cândida. O paradigma educacional emergente. Campinas, SP: Papirus, 2007. MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 10. ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2005. MORIN, Edgar; ALMEIDA, Maria da Conceição; CARVALHO, Edgar de Assis. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. São Paulo: Cortez, 2007. MORIN, E. A cabeça bem feita: repensar, reformar o pensamento. 6. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002. MOURA, Neide de. Percepção e memória: Uma barragem, muitas vidas, uma história. CAMINHOS DE GEOGRAFIA. Disponível em: <http://www.ig.ufu.br/revista/caminhos.html ISSN 1678-6343>. Acesso em: 02 mar.2012. NUNES, Ellen Regina Mayhé. Alfabetização ecológica: um caminho para a sustentabilidade. Porto Alegre, 2005. OLIVEIRA, Maria Marly de. Como fazer pesquisa qualitativa. 2. ed. Rio de Janeiro: Vozes, Petrópolis, 2008. OTALARA, Aline Piccoli, CARVALHO, Luiz Marcelo de. O tema água nos livros didáticos de ciências da natureza, o cotidiano (global-local) e as questões ambientais. VI Encontro “Pesquisa em Educação Ambiental”. A Pesquisa em Educação Ambiental e a Pós-Graduação no Brasil. Ribeirão Preto, setembro de 2011. PARINTINS, Lei do Plano Diretor. LEI MUNICIPAL No 375/2006 de 06 de outubro de 2006, Parintins, 2006. PELISSARI, Maria A. O diário de campo como instrumento de registro. S.I., mimeo.1998. PERTICARRARI, A.; TRIGO, F. R.; BARBIERI, M. R. A contribuição de atividades em espaços não formais para a aprendizagem de botânica de alunos do ensino básico. Ciência em Tela. V. 4., n. 1, 2011. PETRELLA, Ricardo. O manifesto da Água: Argumentos para um contrato mundial; tradução Vera Lúcia Mello Joscelyne. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. PINO, Patrícia V.; OSTERMANN, Fernanda; MOREIRA, Marco A. Concepções Epistemológicas Veiculadas pelos Parâmetros Curriculares Nacionais na Área de Ciências Naturais de 5º a 8º Série do Ensino Fundamental. IX Encontro Nacional de pesquisa em ensino de Física. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br>. Acesso em 20/ 05/ 2011. PONTUSCHKA, Nídia Nassib; PAGANELLI, Iyda; CACETE, Núria Hanglei. Para ensinar e aprender Geografia. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2009. POZO, Juan Ignacio. CRESPO, Miguel Ángel Gómes. A Aprendizagem e o Ensino de Ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. REBOUÇAS, Aldo da C. et al. (orgs.). Águas doces do Brasil: Capital ecológico, uso e conservação. 3. ed. São Paulo: escrituras, 2006. REIGOTA, M. Meio ambiente e representação social. São Paulo: Cortez, 1994. __________. Meio ambiente e representação social. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2007. RIBEIRO, Raimundo Colares. Amazonas meu grande amor: algumas anotações; alguns escritos. 3. ed. Manaus: Coregraf, 2001. ROCHA, Sônia Cláudia Barroso da; FACHÍN-TERÁN, Augusto. O uso de espaços não formais como estratégia para o ensino de ciências. Manaus: UEA. Escola Normal Superior. PPGEECA, 2010. RUIZ, J. A. Metodologia científica: guia para eficiência nos estudos. São Paulo: Atlas, 1997. SANTOS, A. C.; NUNES, O. O.; FIGUEIREDO, M. L. F. A percepção da população da comunidade de torrões sobre a qualidade da água dos poços Amazonas. Caminhos da Geografia, Brasília, v. 9, n. 28, p. 243-261, 2008. SAÚDE, Brasil Ministério. Secretaria de Vigilância em Saúde. Inspeção sanitária em abastecimento de água/ Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília: 2007. (Série A. Normas e Manuais Técnicos). SENICATO,Tatiana; CAVASSAN, Osmar. Aulas de campo em ambientes naturais e aprendizagem em ciências. Um estudo com alunos do Ensino Fundamental. Ciência & Educação, v. 10, n. 1, p. 133-147, 2004 SERRANO, Gloria Perez. Investigación Cualitativa: Retos e Interrogantes. Editorial La Murallas, AS, 1994. SILVA, Sérgio Luis da. Gestão do conhecimento: uma revisão crítica orientada pela abordagem da criação do conhecimento. Ci. Inf., Brasília, v.33, n.2, p. 143 - 151, maio/ago. 2004. VASCONCELLOS, C. S. Construção do conhecimento em sala de aula. São Paulo: Libertad.1993. VIEIRA, V. Análise de espaços não-formais e sua contribuição para o ensino de ciências. Tese de doutoramento, IBqM, UFRJ. 2005. VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1993.pt_BR
dc.publisher.initialsUEApt_BR
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO - PPGECA Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências Na Amazônia



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons