DSpace logo

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorioinstitucional.uea.edu.br//handle/riuea/1900
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorAzevedo, Marlon Jorge Silva de-
dc.date.available2019-12-17-
dc.date.available2019-12-17T16:40:41Z-
dc.date.issued2015-05-29-
dc.identifier.urihttp://repositorioinstitucional.uea.edu.br//handle/riuea/1900-
dc.description.abstractThis research presents the results of the mapping deaf Indians in indigenous communities Sateré-Mawé, in the region of Parintins. Starting from the survey, we sought to identify how the deaf Indians established communication with peers in their community. For this methodological procedure through open interviews with indigenous leaders, family members, teachers and school administrators, and other community members were used as well as the Indian himself deaf. The review process established for this study consisted of focus linguistic lexicon (vocabulary), which was recorded through videos, photos and recordings. From the data, we initiated the development of a trilingual Mini Dictionary in languages Sateré-Mawé/ sign language/ written Portuguese in order to facilitate communication, especially in the context of school learning community among teachers and students deaf Indians. This linguistic contribution, therefore, provided a new insight in the historical process of linguistic diversity, to value and respect not only one language, the official language (Portuguese), but also the natural language of deaf people (Libras) and the indigenous language the people Sateré-Mawé. Key Words: 1.Linguística 2.Língua signal 3.Sateré-Mawé 4.Dictionarypt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade do Estado do Amazonaspt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.rightsAtribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/*
dc.subjectLinguísticapt_BR
dc.subjectLíngua de sinaispt_BR
dc.subjectSateré-Mawépt_BR
dc.subjectDicionáriopt_BR
dc.titleMapeamento e contribuições linguísticas do professor surdo aos índios surdos da etnia Sateré-Mawé na microrregião de Parintinspt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.date.accessioned2019-12-17T16:40:41Z-
dc.contributor.advisor1Martins, Valteir-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/8354878877328251pt_BR
dc.contributor.referee1Martins, Valteir-
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/8354878877328251pt_BR
dc.contributor.referee2Martins, Silvana Andrade-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/0455709808630889pt_BR
dc.contributor.referee3Witkoski, Silvia Andreis-
dc.contributor.referee3Latteshttp://lattes.cnpq.br/7927761622443244pt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/2798510567572411pt_BR
dc.description.resumoEsta pesquisa apresenta o resultado do mapeamento de índios surdos nas comunidades indígenas Sateré-Mawé, na microrregião de Parintins. Partindo do levantamento, buscou-se identificar de que forma os índios surdos estabeleciam a comunicação com seus pares na sua comunidade. Para isso foi utilizado o procedimento metodológico por meio de entrevistas abertas com as lideranças indígenas, os familiares, os professores e gestores escolares, e outros membros das comunidades, assim como do próprio índio surdo. O processo de análise estabelecido para este estudo consistiu no enfoque de natureza linguística do léxico (vocabulário), o qual foi registrado por meio de vídeos, fotos e gravações. A partir dos dados, iniciou-se a elaboração de um minidicionário trilíngue nas línguas Sateré-Mawé/língua de sinais/ português escrito, a fim de facilitar a comunicação, principalmente no contexto da comunidade educacional escolar, entre os professores e os alunos índios surdos. Esta contribuição linguística, portanto, possibilitou uma nova percepção no processo histórico da diversidade linguística, para valorizar e respeitar não só uma língua, a língua oficial do país (Português), mas também a língua natural do povo surdo (Libras) e a língua indígena do povo Sateré-Mawé. Palavras chaves: 1.Linguística 2.Língua de sinais 3.Sateré-Mawé 4. Dicionáriopt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Letras e Artespt_BR
dc.relation.referencesALVAREZ, Gabriel O. Satereria. Tradição e política - Sateré-Mawé. Manaus: Valer/Capes/Prodoc, 2009. AMAZONAS. Fonte de Localização geográfica: Anuário Estatístico do Amazonas, v.1-1965. Manaus: SEPLAN/DEPI, 2012. p.18. ______. REVISTA AMAZÔNIA: VINTE E UM. Amazônia no Século XXI. Manaus: Editora Vinte e Um. Publicação mensal. Ano 2, nº 7, Abril, 2000. ANDREIS-WITKOSKI, S. Educação de Surdos e preconceito: bilinguismo na vitrine e bimodalismo precário no estoque. 2011, 255f. Tese (Doutorado em Educação)-Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade federal do paraná: Curitiba, 2011. AZEVEDO, Marlon Jorge da Silva. Registros fotográficos de indígenas no município de Parintins-Amazonas. Parintins, 2014. BARCELONA. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS LINGÜÍSTICOS. LINGUAGEM. Revista Eletrônica de Popularização Científica em Ciências da Linguagem. Disponível em: <www.letras.ufscar.br/linguasagem>. Acesso em: 25.01.2015. BASSO, Idavania Maria de Souza. LIBRAS: LIVRO DIDÁTICO. 3 ed. Palhoça: UnisulVirtual, 2011. BRASIL. Atendimento Educacional Especializado - Formação Continuada a Distância de Professores para o Atendimento Educacional Especializado – Aspectos Legais e Orientações Pedagógicas, Brasília, 2008. ______. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Especial. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa. 2 ed. Brasília, 2007. ______. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. Manaus, 1998. 338 p. ______ Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. ______. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988. ______. Constituição Federal de 1988, Capítulo VIII DOS ÍNDIOS. Art. 231 e 232. Brasília, 1988. CAMPELLO, Ana Regina e Souza. Deficiência Auditiva e Libras. Centro Universitário Leonardo Da Vinci INDAIAL: Grupo UNIASSELVI, 2009. CASARIN. O imaginário Social dos Professores de Classe Especial em Relação à Pessoa Surda. Dissertação de Mestrado (1996), UFSM. 100 CERQUA, Arcângelo, Dom. Clarões de Fé no Médio Amazonas. (A prelazia de Parintins no seu jubileu de prata) Imprensa Oficial do Estado, 1980. COOL, César; MARCHESI, Álvaro [et al]. Desenvolvimento psicológico e educação. Transtorno de desenvolvimento e necessidades especiais. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. FANTINEL, Patrícia Farias. Contribuições da abordagem sócio-interacionista para aprendizagem da língua portuguesa na modalidade escrita por alunos surdos. Santa Maria, 1999. Monografia (Graduação em Educação Especial). Centro de Educação, Universidade Federal de Santa Maria. FELIPE, Tanya A. MONTEIRO, Myrna S. Libras em Contexto: Curso Básico - Livro do Professor. 3ª ed. Brasília: Ministério da Educação e Secretaria de Educação Especial, 2004. FERNANDES, Eulalia, [et al.]. Surdez e Bilinguismo. A evolução dos conceitos no domínio da linguagem. QUADROS, Ronice Muller (Org.) Porto Alegre: Mediação, 2005. FRANCESCHINI, Dulce do Carmo. [et al.]. O Ensino de Língua Portuguesa em Comunidade Sateré-Mawé. Anais do SIELP. Volume 2, Número 1. Uberlândia: EDU, 2012. Disponível em:<www.ileel2.ufu.br/anaisdosielp/wp-content/.../volume_2_artigo_099.pdf>.Acesso em: 20/02/2014. FOSSILE, Dieysa Kanyela. Perspectiva sociolinguística da inclusão da Libras no ensino superior. Dieysa Kanyela Fossile; Sariza Oliveira Caetano Venâncio. Fórum Linguístico, Florianópolis, v. 10, n. 2, p. 116-125, abr./jun. 2013. DOI. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.5007/1984-8412.2013v10n2p116> Acesso em: 27.11.2014. GOLDFELD, Marcia. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sócio-interacionista. São Paulo: Plexus, 1997. HERNAIZ, Ignácio. Educação na diversidade: experiências e desafios na educação intercultural bilíngue. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e diversidade; UNESCO, 2009. IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. FUNAI. Ministério da Justiça. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/governo/2012/08>. Acesso em 19/11/2013. KAKUMASU, Jim. Urubu Sign Language. In “International Journal of American Linguistics”. Volume XXXIV, outubro, 1968. LOREZ, Sônia da Silva. Sateré-Mawé. Disponível em <http://www.arara.fr/bbtribosatere-mawe.html>. Acesso em 14/02/2014. Também, encontramos a mesma citação em Pereira, Nunes. Os índios Maués. 2 ed. Manaus: Valer e Governo do Estado do Amazonas, 2003. LYONS, John. Lingua(gem) e linguística: uma introdução. Rio de Janeiro: LTC, 1987. LOPES, Luiz Enrique. SICHRA, Inge. Educação em áreas indígenas da América Latina: balanços e perspectivas. In Educação na diversidade: experiências e desafios na educação intercultural bilíngue. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e diversidade; UNESCO, 2009. 101 NASCIMENTO, Sandra Patrícia de Farias do (Org). Língua Portuguesa para surdos. Manaus: Travessia / SEDUC, 2009. OLIVEIRA, Rui. Neolinguística e o aprendizado da linguagem. Catanduva, SP: Respel, 2005. PEREIRA, Nunes. Os Índios Maués. 2ª ed. ver. Manaus: Valer e Governo do Estado do Amazonas, 2003. 194 p. (Série Poramduba, 4). PIVETTA, Elisa Maria., et al.Análise Semiótica da Língua de Sinais. Disponível em: <http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/actas/article/view/18432/10361>. Acesso em 20/11/2014. PONZIO, Augusto. [et. al]. Fundamentos de filosofia da linguagem. Tradução de Ephraim F. Alves. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007 QUADROS, Ronice Müller de. Aquisição das Línguas de Sinais. In: QUADROS, Ronice Muller de (org). Estudos Surdos IV. Petrópolis: Arara Azul, 2009. p. 143-170. (Série Pesquisas). ______. (Org.). O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa. Secretaria de Educação Especial; 2ª ed. Brasília: MEC; SEESP, 2007. ______. Estudos surdos I / Ronice Müller de Quadros (org.). – Petrópolis: Arara Azul, 2006. QUADROS, Ronice Muller de.; KARNOPP, Lodenir Becker. O BI” em bilinguismo na educação de surdos. FERNANDES, Eulalia (org.) et al. Surdez e Bilinguismo.3 ed. Porto Alegre: Mediação, 2005. ______. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004. QUADROS, Ronice Muller de; PERLIN, Gladis. Estudos Surdos II.– Petrópolis, RJ : Arara Azul, 2007. ______. Teorias de aquisição da linguagem. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2008. RAMOS, Clélia Regina. LIBRAS: A Língua de Sinais dos Surdos Brasileiros. Petrópolis: Arara Azul. Rio de Janeiro. Disponível em: <www.editora-arara-azul.com.br. Acesso em: 28.12.2013. RAMOS, F. P. História e Política do Ensino Superior no Brasil: algumas considerações sobre o fomento, normas e legislação. Para entender a história... ISSN 2179-4111. Ano 2, Volume mar., Série 14/03, 2011, p.01-17. Disponível em: ˂http://fabiopestanaramos.blogspot.com.br/2011/03/historia-e-politica-do-ensino-superior.html> Acesso em: 12.01.2014. REBOUÇAS, Larissa Silva.; AZEVEDO, Omar Barbosa. A Centralidade da Língua para os surdos: pelos espaços de convivência e uso da libras. In: SÁ, Nídia Regina Limeira de (org) [et al.]. Surdos: qual escola? Manaus: Valer e Edu, 2011, p. 169-182. 102 RODRIGUES, Aryon Dall´Igna. Línguas Brasileiras: para o conhecimento das línguas indígenas. 4ª ed., São Paulo: Edições Loyola. 2002. ROUSSEAU, Jean-Jacques. Ensaio sobre a origem das línguas. Trad. Fulvia M. L. Moretto. 3 ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2008, p.97-102. Original Francês. SÁ, Nídia Regina Limeira de. Cultura, Poder e Educação de Surdos. São Paulo: Paulinas, 2006. (Coleção Pedagogia e Educação). ______. Surdos: qual escola? Manaus:Editora Valer e Edua, 2011. SACKS, Oliver W. Vendo Vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. Tradução Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. SALLES, Heloisa M. M. L. [et al.]. Ensino da língua portuguesa para surdos: caminhos para a prática pedagógica. 2 ed. Brasília: MEC, SEESP, 2007. v 1. SOBRINHO, Roberto Sanches Mubarac. Vozes Infantis Indígenas: As culturas escolares como elemento de (dês)encontros com as culturas das crianças Sateré-Mawé. Manaus: Valer, Fapeam, 2011. SLOMSKI, Vilma Geni, Educação bilíngue para surdos: concepções e implicações práticas.Curitiba: Juruá, 2010. SKLIAR, Carlos. A surdez: um olhar sobre as diferenças. 2 ed. Porto Alegre:Mediação, 2001. STROBEL, Karin Lilian. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: UFSC, 2008. ______. Surdos: Vestígios Culturais não registrados na história. Florianópolis, 2008. Tese de Doutorado em Educação/UFSC. Disponível em: <www.ronice.cce.prof.ufsc.br/index arquivos/.../karinstrobel.pdf .Acesso em 02/07/2013. STROBEL, K. L; FERNANDES, S. Aspectos linguísticos da Língua Brasileira de Sinais. Curitiba: SEED/SUED/DEE, 1998. TEIXEIRA, Pery. (Org). Sateré-Mawé. Retrato de um povo indígena. Manaus: UFAM/UNICEF, 2005. TEIXEIRA, Vanessa, Gomes. A iconicidade e a arbitrariedade na Libras. Revista Philologus, Ano 21, n. 61. Supl.: Anais do VII. SINEFIL. Rio de Janeiro: CIFEFIL-jan./abr., 2015. Disponível em: <http://www.filologia.org.br/rph/ANO21/61supl/013.pdf> UGGÉ, Henrique, Padre. As Bonitas Histórias Sateré-Mawé. 1ª ed. Impressa Oficial do Estado, 1993. VILHALVA, S. Índios surdos: mapeamento das Línguas de Sinais do Mato Grosso do Sul. Petrópolis: Arara Azul, 2012. (Cultura e Diversidade: série índio surdo; 1).pt_BR
dc.subject.cnpqLínguistica, Letras e Artespt_BR
dc.publisher.initialsUEApt_BR
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO - PPGLA Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras e Artes



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons