DSpace logo

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorioinstitucional.uea.edu.br//handle/riuea/3069
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorAguiar, Lívia Amanda Andrade de-
dc.date.available2020-08-01-
dc.date.available2020-08-03T19:37:23Z-
dc.date.issued2017-06-08-
dc.identifier.urihttp://repositorioinstitucional.uea.edu.br//handle/riuea/3069-
dc.description.abstractSeveral biological and ecological processes have been interrupted in nature; this leads to a series of imbalances in natural ecosystems. Energy flows are important in food chains. Therefore, teaching these processes and promoting the Scientific Literacy (AC) since the first grade in elementary school is extremely important for the preservation of the planet. In the Amazon, there are numerous elements of which may be used to work with AC, one of them is the " harpy eagle" (Harpia harpyja) which is the largest bird of prey in the Amazon and is at the top of the food chain. Our research aims to study the food chain as a facilitator for Scientific Literacy for first graders. This is a qualitative and participatory research , with a deductive approach. It was carried out with three teachers and 67 students attending the first grade in a public a school in the City of Manaus - AM. Data collection took place at the school and in two non-formal spaces: INPA Science of Forest and CIGS Zoo. The evaluation of the scientific literacy process was through practical activities in which the students expressed the knowledge acquired during the lessons. It was possible to identify AC indicators in the speeches, games, child play and drawings of the students. Teachers understand this process as something that takes place beyond the classroom, in this way, they develop experimental activities for proportioning these activities. The study on the theme of the food chain presents itself as a promoting content of the AC as it is contextualized with elements of the culture of the students. School excursions are an important tool to help with this AC process in childrenpt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade do Estado do Amazonaspt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.rightsAtribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/*
dc.subjectAlfabetização científicapt_BR
dc.subjectCadeia alimentarpt_BR
dc.subjectEnsino de ciênciaspt_BR
dc.subjectEspaços educativospt_BR
dc.subjectPrimeiro ano do ensino fundamentalpt_BR
dc.titleO estudo da cadeia alimentar como facilitador da alfabetização científica em crianças do 1º ano do ensino fundamentalpt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.date.accessioned2020-08-03T19:37:23Z-
dc.contributor.advisor1Fachín Terán, Augusto-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/6646400621099687pt_BR
dc.contributor.referee1Fachín Terán, Augusto-
dc.contributor.referee1Fachín Terán, Augusto-
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/6646400621099687pt_BR
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/6646400621099687pt_BR
dc.contributor.referee2Silva, Cirlande Cabral da-
dc.contributor.referee2Silva, Cirlande Cabral da-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/3405754239635541pt_BR
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/3405754239635541pt_BR
dc.contributor.referee3Tolentino Neto, Luiz Caldeira Brant de-
dc.contributor.referee3Tolentino Neto, Luiz Caldeira Brant de-
dc.contributor.referee3Latteshttp://lattes.cnpq.br/5626168979329885pt_BR
dc.contributor.referee3Latteshttp://lattes.cnpq.br/5626168979329885pt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/8349882113606810pt_BR
dc.description.resumoDiversos processos biológicos e ecológicos vêm sendo interrompidos na natureza. Isso traz como consequência uma série de desequilíbrios nos ecossistemas naturais. Fluxos de energia são importantes nas cadeias alimentares. Ensinar esses processos, promovendo a Alfabetização Científica (AC) desde os primeiros anos de escolarização das crianças é de extrema relevância para a preservação do planeta. Na Amazônia, existem inúmeros elementos que podem ser usados para trabalhar a AC, um deles é o “gavião-real” (Harpia harpyja) que é a maior ave de rapina da Amazônia e está no topo da cadeia alimentar. A nossa pesquisa tem como objetivo estudar a cadeia alimentar como recurso facilitador da Alfabetização Científica em crianças do 1º ano do Ensino Fundamental. A pesquisa é do tipo qualitativa, participante tendo um enfoque dedutivo. Foi realizada com três professoras e 67 estudantes do 1º ano do Ensino Fundamental de uma escola da rede municipal da Cidade de Manaus - AM. A coleta de dados ocorreu na escola e em dois Espaços Não Formais: Bosque da Ciência do INPA e Jardim Zoológico do CIGS. A avaliação do processo de alfabetizar cientificamente ocorreu por meio de atividades práticas na qual os estudantes manifestaram os conhecimentos adquiridos durante as aulas. Foi possível identificar indicadores de AC nas falas, brincadeiras, jogos e desenhos dos estudantes. Os professores compreendem este processo como algo além da sala de aula, dessa forma, desenvolvem atividades experimentais para sua promoção. O estudo sobre o tema da cadeia alimentar se apresenta como um conteúdo promotor da AC à medida que é contextualizada com elementos da cultura dos estudantes. As aulas-passeio são uma importante ferramenta para ajudar nesse processo de AC nas criançaspt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.programPROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO E ENSINO DE CIÊNCIAS NA AMAZÔNIApt_BR
dc.relation.referencesALENCAR, R. N. B.; FACHÍN-TERÁN, A. O processo de aprendizagem das crianças por meio da música e elementos sonoros em espaços educativos. Manaus: Editora e Gráfica Moderna, 2015. ARAGUAIA, M. Cadeia Alimentar. Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/biologia/cadeia-alimentar.htm>. Acesso em: 19 out., 2016. ARAÚJO, C. P. Ensino de ciências no ensino fundamental em diferentes espaços educativos usando o tema da conservação da fauna Amazônica. Dissertação. 2014. 105 f. Dissertação (Mestrado em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia) Universidade do Estado do Amazonas. Parintins-AM, 2014. ARAÚJO, J. N; SILVA, C. C. da; FACHÍN TERÁN, A. A floresta amazônica: um espaço não formal em potencial para o ensino de ciências. In: VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – VIII ENPEC. Campinas, 05 a 09 dez., 2011. BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011. BEAUCHAMP, J.; PAGEL, S. D.; NASCIMENTO, A. R. (Orgs.). Ensino Fundamental de Nove Anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. 2 ed Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007. BORBA, A. M.; GOULART, C. As diversas expressões e o desenvolvimento da criança na escola. In: BEAUCHAMP, J.; PAGEL, S. D.; NASCIMENTO, A. R. (Org.). Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. 2 ed. Brasília: Ministério da Educação, 2007. BOTEGA, M. P. Ensino de Ciências na Educação Infantil: formação de professores da rede municipal de ensino de Santa Maria. RS. 2015. 135 f. Tese (Doutorado em Educação) Faculdade de Educação da Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul, 2015. BRASIL, Câmara dos Deputados. Constituição da República Federativa do Brasil: texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais nos 1/1992 a 68/2011, pelo Decreto Legislativo nº 186/2008 e pelas Emendas Constitucionais de Revisão nos 1 a 6/1994. ed. 35. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2012. BRASIL, Câmara dos Deputados. Lei de diretrizes e bases da educação nacional: Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 11. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2015. BRASIL, Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Ministério da Educação. Secretária de Educação Básica. Diretória de Currículo e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. BRASIL, Ministério da Educação. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: Documento orientador das ações de formação continuada de professores alfabetizadores em 2015. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica, 2015. BRASIL, Ministério da Educação. Pacto nacional pela alfabetização na idade certa: planejando a alfabetização e dialogando com diferentes áreas do conhecimento: ano 02, unidade 06. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Brasília, 2012. BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais: ciências naturais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997. BRASIL, Senado Federal. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei Federal n. 8.069, 13 jul., 1990. CARDOSO, A. Era uma vez, eu, o gavião real. Ciência para todos, n.7. ano 3. jun., Manaus, 2011. CASCAIS, M. G. A.; FACHÍN-TERÁN, A. Os Espaços Educativos e a Alfabetização Científica no Ensino Fundamental. Manaus: Editora e Gráfica Moderna, 2015. CASCAIS, M. G. A.; FACHÍN-TERÁN, A. Processo de Alfabetização Científica no Ensino Fundamental. In: FACHÍN-TERÁN, A. SANTOS-SEIFFERT, S. (Orgs.). Temas sobre ensino de ciências em Espaços Não Formais: avanços e perspectivas. Manaus: UEA edições, 2016. CHASSOT, Á. Alfabetização Científica: Questões e desafios para a educação. 5 ed. Revisada. Ijuí: UNIJUÍ, 2010. CIGS. A História do Centro de Instrução de Guerra na Selva. Disponível em: <http://www.cigs.eb.mil.br/index.php/o-cigs>. Acesso em: 13 out. 2016. COLINVAUX, D. Ciências e Crianças: delineando caminhos de uma iniciação às ciências para crianças pequenas. Revista Contrapontos, Itajaí, SC, v. 4, n. 1, pp.105-123. jan./abr., 2004. CORSINO, P. As crianças de seis anos e as áreas do conhecimento. In: BEAUCHAMP, J.; PAGEL, S. D.; NASCIMENTO, A. R. (Org.). Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. 2 ed. Brasília: Ministério da Educação, 2007. DAL-FARRA, R. A.; ACUNHA, V. H. A. Cadeia e teia alimentar no ensino de ciências para estudantes de 1ª a 4ª série do Ensino Fundamental. In: Anais da 2ª. Reunião Regional da SBPC no Rio Grande do Sul - SBPC/RS. Porto Alegre: SBPC/RS, 2006. DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. Seqüências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. (Org.). Gêneros orais e escritos na escola. SP: Mercado de Letras, 2004. FACHÍN-TERÁN, A.; SANTOS-SEIFFERT, S. (Orgs.). Temas sobre ensino de ciências em Espaços Não Formais: avanços e perspectivas. Manaus: UEA Edições, 2016. FACHIN-TERÁN, A.; SEIFFERT-SANTOS, S. C. (Orgs.). Ensino de Ciências em Espaços não Formais Amazônicos. Manaus: UEA Edições, 2014. FACHIN-TERÁN, A.; SEIFFERT-SANTOS, S. C. (Orgs.). Novas Perspectivas de Ensino de Ciências Em Espaços Não Formais Amazônicos. Manaus: UEA Edições, 2013. FERREIRO, E. Reflexões sobre alfabetização. Coleções questões da nossa época. 25 ed. São Paulo: Cortez, 2010. FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 23 ed. São Paulo: Cortez, 1989. GIORDAN, M.; GUIMARÃES, Y.; MASSI, L. Uma análise das abordagens investigativas de trabalhos sobre sequências didáticas: tendências no Ensino de Ciências. In: VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências e I Congresso Iberoamericano de Educação em Ciências. 2012. Campinas, SP. Atas do VIII ENPEC - I CIEC. Rio de Janeiro, RJ: ABRAPEC, 2012. INPA. Bosque da Ciência. Disponível em: <http://bosque.inpa.gov.br>. Acesso em: 13 out., 2016. INPA. Programa Nacional de Conservação do Gavião-Real. Disponível em: <http://gaviaoreal.inpa.gov.br/>. Acesso em: 13 out., 2016. JACOBUCCI. D. F. C. Contribuições dos Espaços Não-Formais de educação para a formação da cultura científica. Em extensão, Uberlândia. v.7, n. 1, 2008. JORNAL EM TEMPO. Justiça Inaugura “Oca do Conhecimento Ambiental” na Zona Leste. Disponível em: <http://www.emtempo.com.br/justica-inaugura-oca-do-conhecimentoambiental-na-zona-leste/>. Acesso em: 13 out., 2016. KISHIMOTO; T. M. O jogo e a educação infantil. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003. KRAMER, S. As crianças de 0 a 6 anos nas políticas educacionais no Brasil: Educação Infantil e/é fundamental. Educação & Sociedade. Educação: Políticas Públicas afirmativas e emergentes. Campinas, v. 27, n. 96 - Especial, pp.797-818, out. 2006. KRAMER, S. A Infância e sua Singularidade. In: BEAUCHAMP, J.; PAGEL, S. D.; NASCIMENTO, A. R. (Org.). Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. 2 ed. Brasília: Ministério da Educação, 2007. KRASILCHIK, M.; MARANDINO, M. Ensino de Ciências e Cidadania. 2 ed. São Paulo: Moderna, 2007. LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2003. LOPES, J. Freinet confira: em seu centenário: o grande educador continua vivo na sala de aula. In: Revista Nova Escola. Reportagem de Capa. Ed.139, jan., 2001. LORENZETTI, L. Alfabetização Científica no Contexto das Séries Iniciais. 2000. 134 f. Tese (Doutorado em Educação) Universidade Federal de Santa Catarina, 2000. LORENZETTI, L.; DELIZOICOV, D. Alfabetização Científica no contexto das Séries Iniciais. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências. v. 3, n. 1, pp.1-17, jun., 2001. LUCKESI, C. C. Avaliação da Aprendizagem: Componente do ato pedagógico. São Paulo: Cortez, 2011. MACIEL, H. M.; FACHÍN-TERÁN, A. O Potencial Pedagógico dos Espaços Não Formais da Cidade de Manaus. Curitiba: CRV, 2014. MANAUS, Conselho Municipal de Educação. Resolução N.033/CME/2013 Aprovada em 18.12.2013. Fixa normas para operacionalização do Bloco Pedagógico do Ensino Fundamental - 1º ao 3º ano, nas unidades escolares da Rede Pública Municipal de Manaus. Publicado no DOM 3323, 03 jan., 2014. MANAUS, Secretaria Municipal de Educação. Proposta Pedagógica dos Anos Iniciais: bloco pedagógico. Secretaria Municipal de Educação. Subsecretaria de Gestão Educacional. Departamento de Gestão Educacional. Divisão de Ensino Fundamental, Manaus: 2014. MEREDIEU, F. O desenho infantil. Tradução de Álvaro Lorencini, Sandra M. Nitrini. 11 ed. São Paulo: Cultrix, 2006. MILARÉ, T.; ALVES-FILHO, J. P. Ciências no Nono Ano do Ensino Fundamental: da disciplinaridade à Alfabetização Científica e Tecnológica. Revista Ensaio. Belo Horizonte. v. 12, n. 02, pp. 101-120, mai./ago., 2010. MORAES, T. S. V. O desenvolvimento de processos de investigação científica para o 1°. ano do Ensino Fundamental. 2015. 206 f Tese (Doutorado em Educação) Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2015. MOREIRA, M. A. Metodologias de Pesquisa em Ensino. São Paulo. Ed. Livraria da Física, 2011. MULULO, J. C. P.; FACHÍN-TERÁN, A. Indagações dos estudantes durante as aulas passeio no Bosque da Ciências, Manaus, AM. In: FACHÍN-TERÁN, A. SANTOS-SEIFFERT, S. (Orgs.). Temas sobre ensino de ciências em Espaços Não Formais: avanços e perspectivas. Manaus: UEA Edições, 2016. NASCIMENTO, A. M. A Infância na Escola e na Vida: uma Relação Fundamental. In: BEAUCHAMP, J.; PAGEL, S. D.; NASCIMENTO, A. R. (Org.). Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. 2 ed. Brasília: Ministério da Educação, 2007. NERY, A. Modalidades organizativas do trabalho pedagógico: uma possibilidade. In: Ministério da Educação. Ensino Fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília, 2007. OBSERVATÓRIO DO PNE. 2013. Ensino Fundamental de 9 anos. Disponível em <http://www.observatoriodopne.org.br/metas-pne/2-ensino-fundamental/analises/ensinofundamental-de-9-anos>. Acesso em 12 set., 2016. OLIVEIRA, F. C.; BARROS, M. Cadê o brincar?: da Educação Infantil para o ensino fundamental. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009. PANOSSO, M. G.; SOUZA, S. R.; HAYDU, V. B. Características atribuídas a jogos educativos: uma interpretação Analítico-Comportamental. Revista Quadrimestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional. São Paulo, v.19, n.2, mai./ago., 2015. PAZ, A. M.; ABEGG, I.; ALVES-FILHO, J. P.; OLIVEIRA, V. L. B. Modelos e modelizações no ensino: um estudo da cadeia alimentar. Ensaio. Pesquisa em Educação em Ciências. v. 8, n. 2, p.133, dez., 2006. PIASSI, L. P.; ARAUJO, P. T. A literatura infantil no ensino de ciências: propostas didáticas para os anos iniciais do Ensino Fundamental. São Paulo: Edições SM, 2012. PIZARRO, M. V.; JUNIOR, J. L. Indicadores De Alfabetização Científica: Uma Revisão Bibliográfica Sobre As Diferentes Habilidades Que Podem Ser Promovidas No Ensino De Ciências Nos Anos Iniciais. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegra, v. 20, n. 1, pp.208-238, 2015. ROCHA, S. C. B.; FACHÍN-TERÁN, A. Contribuições dos Espaços Não Formais para o ensino de ciências. In: FACHÍN-TERÁN, A; SEIFFERT-SANTOS, S. C. (Orgs). Novas perspectivas de Ensino de Ciências em Espaços Não Formais. Manaus. UEA Edições, 2013. RODRIGUES, D.; NUNO, F. Dicionário Larousse da Língua Portuguesa míni. São Paulo: Larousse do Brasil, 2005. SASSERON, L. H. Alfabetização Científica no Ensino Fundamental: Estrutura e Indicadores deste processo em sala de aula. 2008. 265 f. Tese (Doutorado em Educação) Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. de. Construindo argumentação na sala de aula: a presença do ciclo argumentativo, os indicadores de alfabetização científica e o padrão de Toulmin. Ciência & Educação. v. 17, n. 1, pp.97-114, 2011. SILVA, C. C.; FACHÍN-TERÁN, A. A utilização dos Espaços Não Formais como contribuição para a educação científica: uma prática pedagógica (que se faz necessária). In: FACHÍN-TERÁN, A.; SANTOS-SEIFFERT, S. (Orgs.). Novas perspectivas de Ensino de Ciências em Espaços Não Formais Amazônicos. Manaus: UEA edições, 2013. SOARES, M. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. In: 26ª Reunião Anual da ANPEd. Poços de Caldas-MG. 5 a 8 out., 2003. SOUZA, M. C. B. R. A concepção de criança para o Enfoque Histórico-Cultural. 2007. 154 f. Tese (Doutorado em Educação) Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista, Marília, 2007. VASCONCELLOS, C. S. Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola. 7 ed. São Paulo: Libertad, 1989. VYGOTSKI, L. S. A formação social da mente. Tradução: José C. Neto, Luis S. M. Barreto, Solange C. Afeche. 4 ed brasileira. São Paulo: Fontes Editora, 1991. WIKIPÉDIA. Harpia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Harpia>. Acesso em: 23 mar., 2017. ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Tradução Ernani F. F. Rosa. Porto Alegre. Artmed, 1998.pt_BR
dc.publisher.initialsUEApt_BR
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO - PPGECA Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências Na Amazônia



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons