DSpace logo

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorioinstitucional.uea.edu.br//handle/riuea/2788
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorSantos, Liégy Resende dos-
dc.contributor.authorNogueira-Ferreira, Fernanda Helena-
dc.date.available2020-07-07-
dc.date.available2020-07-09T14:10:45Z-
dc.date.issued2017-01-04-
dc.identifier.citationBUENO, W. Jornalismo Cientifico: conceito e funções. Ciência e Cultura, v.37, n.9, p.1420-1427, 1985. CHEVALLARD, Y. La transposition didactique: du savoir savant au savoir enseigné. Revue française de pédagogie. v.76, n.1, p.89-91. 1986. FALK, J.; DIERKING, L. D. Lessons without limit: How free-choice learning is transforming education. Walnut Creek, CA: AltamiraPress, 2002. FENSHAM, P. School, Science and public under standing of science. International Journal of Science Education, London, v.21, n.7, p.755- 763, 1999. LOPES, G. F.; PACHECO, H. M.; SILVA, L. P. C.; NOGUEIRA-FERREIRA, F. H.; JACOBUCCI, D. F. C. Espaços não formais de educação como campo de atuação do licenciado em ciências biológicas. Olhares, Guarulhos, v.1, n.2, p.247-268, 2013. TRILLA, J.; GHANEM, E.; ARANTES, V. Educação formal e não-formal: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus Editorial. 2008. GOHN, M. G. M. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.14, n.50, p.27-38, 2006. GOHN, M. G. M. Educação Não-formal e cultura política. São Paulo: Cortez. 2008. GOUVÊA, G.; VALENTE, M. E.; CAZELLI, S.; MARANDINO, M. Redes cotidianas de conhecimento e os Museus de ciência. Revista Parcerias Estratégias: Educação e meio ambiente. v.6, n.11, 2001. GUIMARÃES, M.; VASCONCELLOS, M. M. N. Relações entre educação ambiental e educação em ciências na complementaridade dos espaços formais e não formais de educação. Educar, Curitiba, v.27, p.147-162, 2006. JACOBUCCI, D. F. C. Contribuições dos espaços não formais de educação para a formação da cultura científica. Revista Em extensão, v.7, p.55-66. 2008. LISSI, C. B.; JACOBUCCI, D. F. C.; NOGUEIRA-FERREIRA, F. H. Multiplicidade de ações educativas e culturais no museu de biodiversidade do cerrado. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL: TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS DA DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA. Anais. Florianópolis: UFSC. 2012. MARANDINO, M. Museus de Ciências como Espaços de Educação. In: Museus: dos Gabinetes de Curiosidades à Museologia Moderna. Belo Horizonte: Argumentum. p.165-176. 2005. LISSI, C. B.; JACOBUCCI, D. F. C.; NOGUEIRA-FERREIRA, F. H. Multiplicidade de ações educativas e culturais no museu de biodiversidade do cerrado. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL: TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS DA DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA. Anais. Florianópolis: UFSC. 2012. Revista Amazônica de Ensino de Ciências | ISSN: 1984-7505 ARTIGO 19 ARETÉ | Manaus | v.10 | n.22 | p.11-22 | jan-jun | 2017 OVIGLI, D. F. B.; FREITAS, D. Contribuições de um centro de ciências para a formação inicial do professor. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, 1, 2009, Ponta Grossa. Anais. Ponta Grossa: UTFPR. 2009. SANTOS, L. L. C. P. Pluralidade de saberes em processos educativos. In: CANDAU, V.M.F. (org.). Didática, currículo e saberes. Rio de Janeiro: DP&A, p.46-59, 2000. TARDIF, M. O conhecimento dos professores. Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica (mimeo). 2000. VALENTE, M. E. A. O museu de ciência: espaço da história da ciência. Ciência e Educação. v.11, n.1, p.53-62, 2005. VAN-PRAET, M.; POUCET, B. Les Musées, Lieux de Contre-Éducation et de Partenariat Avec L’École, In: Education & Pédagogies – dés élèves au musée, Centre International D’Études Pédagogiques. 1992. VIEIRA, V.; BIANCONI, M. L.; DIAS, M. Espaços não-formais de ensino e o currículo de ciências. Cienc. Cult. P.21-23, 2005.pt_BR
dc.identifier.issn1984-7505pt_BR
dc.identifier.urihttp://repositorioinstitucional.uea.edu.br//handle/riuea/2788-
dc.description.abstractThe traditional teaching proposal has been expanded in the last decades, once the education can be obtained out of school, in non-formal spaces. For this purpose, scientific knowledge have to pass through a transformation process to fit into several spaces for promotion of education. In order to accomplish the knowledge transposition from a specialized language to an instructional and informative language, different methodological strategies had been produced and applied in a municipal school and a museum. Thus, the knowledge once limited to the scientific community was disclosed in a playful and didactic way. The developed activities revealed that the scientific knowledge transposition to formal spaces and non-formal spaces can be an efficient educational strategy, since it is a learning instrument to both, producer and receiver. Keywords: Educational strategy. Formal education space. Non-formal space.pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade do Estado do Amazonaspt_BR
dc.relation.ispartofRevista Amazônica de Ensino de Ciênciaspt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.rightsAtribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/*
dc.subjectEstratégia Educacionalpt_BR
dc.subjectEspaço Formalpt_BR
dc.subjectEspaço Não Formalpt_BR
dc.subjectEducaçãopt_BR
dc.titleO uso de recursos didáticos como estratégia educacional em espaços formais e não formais de educaçãopt_BR
dc.title.alternativeThe use of teaching resources as an educational strategy in formal educational spaces and non-formal spacespt_BR
dc.typeArtigo de Periódicopt_BR
dc.date.accessioned2020-07-09T14:10:45Z-
dc.citation.volume10pt_BR
dc.citation.epage22pt_BR
dc.citation.issue22pt_BR
dc.citation.spage11pt_BR
dc.description.resumoA proposta tradicional do ensino tem sido ampliada nas últimas décadas, considerando que a educação pode ser adquirida fora da escola, em espaços não formais. Para que o saber científico seja exposto àqueles que aprendem fora da escola, é necessário que este passe por um processo de transformação, que o adeque aos mais diversos espaços de divulgação. Com o intuito de realizar a transposição do conhecimento de uma linguagem especializada para uma linguagem didática e informativa, estratégias metodológicas diferenciadas foram elaboradas e aplicadas em uma escola municipal e um museu. Desta forma, o conhecimento antes restrito ao meio científico, foi divulgado de maneira lúdica e didática. As atividades desenvolvidas, revelaram que a transposição do conhecimento científico para espaços formais e não formais de educação, pode ser uma eficiente estratégia educacional, já que é um instrumento de aprendizagem tanto para aqueles que o produzem, quanto para aqueles que o recebem. Palavras-chave: Estratégia educacional. Espaço formal de educação. Espaço não formalpt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.subject.cnpqCiênciaspt_BR
dc.publisher.initialsUEApt_BR
Appears in Collections:Revista Areté - Artigos de Periódicos



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons