DSpace logo

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorioinstitucional.uea.edu.br//handle/riuea/2585
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorMelo, Marlucia Ferreira-
dc.date.available2020-04-24-
dc.date.available2020-04-24T00:23:08Z-
dc.date.issued2012-04-23-
dc.identifier.urihttp://repositorioinstitucional.uea.edu.br//handle/riuea/2585-
dc.description.abstractThis research was central intention to map the emotional aspects that influence and hinder the learning from the use of pedagogical tools produced by graduates of the Master of Science Teaching Professional at Amazon. Thus proposed focus and guide the look in teacher student relations as ability to perform activities that contribute to improving the quality of learning from lessons mediated educational resource, especially Kit Dive Deeper. He sought to identify how the affective dimension is present in the classroom and the social representation that teachers and students attribute the same. The work is supported by authors such as Piaget, Wallon, Vygotsky, among others, who emphasize, even indirectly the theme of affectivity and its importance for learning at the same time point out that cognitive and affective go together. The methodology used was ethnographic study, which is included in the qualitative approach. Data collection took place from the transcript of the reports of the participants, observing their activities and their participation in the activities performed. Data analysis was based on the description and groupings of the answers given in the formal and informal dialogues. All activities were established with the central focus on the learning process as well as the contributions that teachers and students attach to affectivity as a driver of learning. This research can still see the need and importance of pedagogical mediation from educational tools, such as developed and used here by the Academic Master graduates of science education in the Amazon.pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade do Estado do Amazonaspt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.rightsAtribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/*
dc.subjectAfetividadept_BR
dc.subjectRecurso Pedagógicopt_BR
dc.subjectRelação Ensino Aprendizagempt_BR
dc.subjectMediaçãopt_BR
dc.titleMapeamento dos aspectos afetivos que influenciam e dificultam a aprendizagem a partir do uso de ferramentas pedagógicas produzidas por egressos do mestrado profissional de ensino de ciências na Amazôniapt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.date.accessioned2020-04-24T00:23:08Z-
dc.contributor.advisor1Barbosa, Ierecê-
dc.contributor.referee1Barbosa, Ierecê-
dc.contributor.referee2Gonzaga, Amarildo Menezes-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/2786554010520173pt_BR
dc.contributor.referee3Vicente, José-
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/2530555404890301pt_BR
dc.description.resumoA presente pesquisa teve como intenção central mapear os aspectos afetivos que influenciam e dificultam a aprendizagem a partir do uso de ferramentas pedagógicas produzidas pelos egressos do Mestrado Profissional de Ensino de Ciências na Amazônia. Dessa forma se propôs privilegiar e pautar o olhar nas relações professor aluno como possibilidade de se realizar atividades que contribuíssem para a melhoria da qualidade de aprendizagem a partir de aulas mediadas pelo recurso pedagógico, em especial o Kit Mergulhe mais Fundo. Procurou-se identificar de que forma a dimensão afetiva está presente na sala de aula e a representação social que professores e alunos atribuem a mesma. o trabalho se apóia em autores como: Piaget, Wallon, Vigostski, dentre outros, que enfatizam, mesmo de forma indireta a temática da afetividade e sua importância para a aprendizagem, ao mesmo tempo que apontam que cognição e afetividade andam juntas. A metodologia adotada foi o estudo etnográfico, que se insere na abordagem qualitativa. A coleta de dados deu-se a partir da transcrição dos relatos dos participantes, da observação de suas atividades e de sua participação nas atividades realizadas. A análise dos dados se pautou na descrição e agrupamentos das respostas dadas nos diálogos formais e informais. Todas as atividades foram estabelecidas tendo como foco central o processo ensino aprendizagem, bem como as contribuições que professores e alunos atribuem para a afetividade como propulsora da aprendizagem. Nessa pesquisa pode-se observar ainda a necessidade e importância da mediação pedagógica a partir de ferramentas pedagógicas, como a desenvolvida e aqui utilizada pelos egressos do Mestrado Acadêmico do Ensino de Ciências na Amazônia.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazôniapt_BR
dc.relation.referencesALMEIDA, Ana Rita Silva. A emoção na sala de aula. Campinas, São Pulo: Papirus 1999, (Coleção Papirus Educação). ALTHUSSER, Louis. Aparelhos Ideológicos de Estado. Nota sobre os Aparelhos Ideológicos de Estado; Rio de Janeiro: Graal, 1985. ANTUNES, Celso. Alfabetização Emocional. São Paulo: Terra, 1996. _______________. A linguagem do afeto: Como ensinar virtudes e transmitir valores. Campinas, SP: Ed. Papirus, 2005. _______________. A afetividade na escola: educando com firmeza. Londrina: Maxiprint, 2006.194p. AUSUBEL, David P.; NOVAK. Joseph D.; HANESIAN, Helen. Psicologia educacional. 2 ed. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980. AUSUBEL, David P. Psicologia educativa: um ponto de vista cognitivo. México: trilhas, 1978. BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1992. __________ (1980) 'O capital social – notas provisórias'. In: Nogueira, M. A. e A. Catani (orgs.) Pierre Bourdieu: escritos de educação. Capítulo III. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998. BUSTOS, D. M. o teste sociométrico. Ed. Brasiliense, São Paulo. 1979. CAMPOS, Dinah Martins de Souza. Psicologia da Aprendizagem. 34. Ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2005. CUNHA. Antônio Eugênio. Afeto e Aprendizagem: relação de amorosidade e saber na prática pedagógica. 2 edição. Rio de Janeiro Ed. Wak. 2010. DEMO, Pedro. Pesquisa princípio científico e educativo. 11. ed. São Paulo: Cortez, 2005. Biblioteca da Educação. Série 1. Escola, v. 14. FERREIRO, Emilia. Atualidade de Jean Piaget. Porto Alegre: Artmed, 2001. _______________. Reflexões sobre Alfabetização. São Paulo. Cortez autores associados. 1986 e 2001. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 12. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999. FERREIRA, A. B. H. Novo Aurélio XXI: o dicionário da Língua Portuguesa. 3 ed. Totalmente revista e ampliada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999. GHEDIN, Evandro, FRANCO, Maria Amélia. Questões de Método na construção da Pesquisa em educação. São Paulo: Ed. Cortez, 2008. JENNINGS, H, H. Sociometry in group relations: manual for teachers Greenwoord Press, Publishers, Westport, Connecticut, 1973. LA TAILLE, Yves de; OLIVEIRA, Marta Kohl de; DANTAS, Heloisa. Piaget, Vigotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo, Summus, 1992. LEITE, Sérgio Antônio da Silva; TASSONI, Elvira Cristina Martins. “A afetividade em sala de aula: as condições de ensino e a mediação do professor”, in AZZI, Roberta Gurgel; SADALLA, Ana Maria Falcão de Aragão (Org.). Psicologia e formação docente: desafios e conversas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002. MACEDO, R. S. A Etnopesquisa crítica e multirreferencial nas ciências humanas e na educação. Salvador: EDUFBA, 2000 MANOLE, Origens do pensamento da criança, São Paulo, 1989. MARTINELLI, S, C. Os aspectos afetivos das dificuldades de aprendizagem. Petrópolis, Ed. Vozes 2001. MERANI, Alberto L. Pedagogia e psicologia (As idéias pedagógicas de Henri Wallon). Lisboa: Editorial Notícias, 1977. MORIN, Edgar. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. Maria da Conceição Almeida, Edgar de Assis Carvalho, (orgs) 2. Ed. rev. São Paulo: Cortez, 2004. MRECH, Leny, Magalhães. Psicanálise e Educação. Novos Operadores de Leitura. São Paulo. Ed. Pioneira Thomson Learning, 2002. OLIVEIRA, Marta Kohl de. “O problema da afetividade em Vygotsky”, in La Taille, Y., Dantas, H., Oliveira, M. K. Piaget, Vygotsky e Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus, 1992. __________________. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio – histórico. São Paulo: Scipione, 1997. ONTORRIA, A. et al . Potenciar La capacidade de aprender y pensar. Madri: Ed. Nancea 2000. PERINI, Silvia. Psicologia da Educação. A observação científica como metodologia de estudo. São Paulo: Paulinas, 2003. PIAGET, J. A Relação da afetividade com a inteligência no desenvolvimento mental da criança. Rio de Janeiro: Ed. Fundo de Cultura, Vol 26 n 3, 1962. _________. O Juízo moral da criança. São Paulo: Ed. Summus, 1994. _________. O nascimento da inteligência na Criança. São Paulo, Ed. Ática. 1996. REGO, Teresa Cristina. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. Petrópolis: Editora Vozes, 2002. 14ª Edição. RIBEIRO, V. M. Alfabetismo e Atitudes. 2. Edição. São Paulo: Ed. Papirus, 2003. ROSENTHAL, R & JACOBSON, L. Pigmalion inthe classroom. New York: Rinehat and Winston 1968. SILVA, R. N. Concepções, crenças e valores de alunos e professores: analisando situações de conflito na sala de aula. Brasília: UNB, 2004. (dissertação de mestrado). SISTO, F. F. Dificuldade de Aprendizagem no contexto psicopedagogico. Petropolis, Ed. Vozes 2001. VELHO, G. Subjetividade e sociedade: uma experiência de geração. Rio de Janeiro: Zahar,1986. VIGOTSKI, Lev S. Pensamento e Linguagem. S.P., Martins Fontes, 1989. _________. Lev Semenovich. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1993. _________. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1994. __________. O desenvolvimento psicológico na infância. São Paulo: Martins Fontes, 1998. WEINER, B. History of motivational research in education. Journal of Educacional psychology. 1990. WALLON, H. A evolução psicológica da criança. Lisboa: Edições 70, 1968. ___________. Les mileux, les groupes et la psychogenèse de l’enfant. Enfance, Paris, (3-4): 287-296, mai-oct., 1959, (1a ed., 1954). __________. (1971) As Origens do Caráter na Criança. São Paulo: Difusão Européia do Livro. __________. (1978) Do acto ao pensamento. Lisboa: Moraes Editores. __________. Psicopatologia e Psicologia Genética, in Werebe, M J. & NadelBrulfert, J. Henri Wallon, São Paulo: Editora Ática, (orig. 1951). 1986. WADSWORTH, B.J., Inteligência e afetividade da criança na teoria de Piaget. São Paulo, Pioneira Educação, 6ª edição, 1997. WEBER, Max. As causas sociais do declínio da cultura antiga. In COHN, Gabriel, org. Max Weber, Sociologia. São Paulo, Ed. Ática. 1979. WERNECK, Hamilton. Professor, acredite em si mesmo. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2007. WEBGRAFIA WWW.orgone.com.br – definição de afetividadept_BR
dc.publisher.initialsUEApt_BR
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO - PPGECA Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências Na Amazônia



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons