DSpace logo

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorioinstitucional.uea.edu.br//handle/riuea/2059
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorTorres, Rodrigo Araújo-
dc.date.available2019-12-21-
dc.date.available2019-12-20T17:56:24Z-
dc.date.issued2012-11-09-
dc.identifier.urihttp://repositorioinstitucional.uea.edu.br//handle/riuea/2059-
dc.description.abstractAs the beginning of the industrial process, on the second half of the 18th Century, due to the Industrial Revolution, which arise initially in England, triggering the manufacturing by mass production. New technology applied on machinery capable of accelerating the making of new products released a good feeling on people, not only because of consume potential, but also due to the great amount of industrial products, at affordable prices, giving cause to scarcity of natural resources and, also, afflicted serious problems to workers, for not having any ideas on the risks incurred of working with machinery applied for production, completely unconnected with the safety of their operators. A different range of conflicts developed branches of law regarding to the present research: labor law and environmental law. Along the deployment of environmental law, from the United Nations Conference in 1972, in Stockholm/ Sweden, and in Rio de Janeiro/ Brazil, in 1992, as an autonomous subject within the law, with its specificities and connection with other legal disciplines, has noticed that the concepts and standards usually thought of as genuinely labor may actually be rules and concepts applications of environmental law. This research aims to conduct this analysis, checking whether the additional health and safety arising from the unhealthiness of the Polluter Payer Principle, and the provision of Personal Protective Equipment. The 1988 Federal Constitution provides the legal basis for both branches of Law in question: in its 7th article it bases workers' rights, whereas the article 225th, provides that an ecologically balanced environment is essential to a healthy quality of life. Since the environment is one and indivisible, the work environment is inserted in this context. Also, it appears that life referred to the article under discussion is human, marking thus the philosophical reasoning followed in this study, which is anthropocentric. The Polluter Payer Principle, disposed in § 3rd of Article 225 of FC/88, searches environmental pollution in the production process costs, avoiding the implementation of such to society. We conclude that the Polluter Pays Principle is applied in labor law, perceiving its implementation in insalubrities’ premiums and the obligation of PPE use as well as a must be revised values and accumulation of bonuses materializing up the Principle of Environmental Law presented, by internalizing the costs of environmental pollution more widely than now taken.pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade do Estado do Amazonaspt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/*
dc.subjectMeio ambientept_BR
dc.subjectPoluidor - pegadorpt_BR
dc.subjectMeio ambiente do trabalhopt_BR
dc.titleO princípio do poluidor-pagador e o meio ambiente de trabalhopt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.date.accessioned2019-12-20T17:56:24Z-
dc.contributor.advisor1Melo, Sandro Nahmias-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/4266625489820783pt_BR
dc.contributor.referee1Melo, Sandro Nahmias-
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/4266625489820783pt_BR
dc.contributor.referee2Braga, Mauro Augusto de Ponce Leão-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/4623896556141143pt_BR
dc.contributor.referee3Camargo, Serguei Aily Franco de-
dc.contributor.referee3Latteshttp://lattes.cnpq.br/7304297274273182pt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/0032952125950083pt_BR
dc.description.resumoCom o surgimento do processo de industrialização, na segunda metade do Século XVIII, decorrente da Revolução Industrial, surgida inicialmente na Inglaterra, deflagrou-se a substituição da manufatura pela produção em massa. As novas tecnologias empreendidas no emprego de maquinários capazes de acelerar a feitura de bens, provocou certo bem estar para as pessoas, pela potencialização do consumo, com a abundancia cada vez maior de produtos industrializados a preços mais baratos, dando causa a escassez de recursos naturais, e, também, afligiu sérios problemas aos trabalhadores, por não haver sequer noção dos riscos de se trabalhar em máquinas voltadas à produção, totalmente alheias à segurança de seus operadores. Nesta gama de conflitos desenvolvem-se os ramos do direito afetos à presente pesquisa: o direito do trabalho e o direito ambiental. Com o destacamento do direito ambiental, a partir das Conferências das Nações Unidas em 1972, em Estocolmo/Suécia, e 1992, no Rio de Janeiro/Brasil, como disciplina autônoma dentro do direito, com suas especificidades e entrosamento com as demais disciplinas jurídicas, tem-se percebido que conceitos e normas até então pensados como genuinamente trabalhistas, poderão, na verdade, ser aplicações das normas e conceitos do direito ambiental. Esta pesquisa propõe realizar esta análise, verificando se os adicionais de periculosidade e insalubridade decorrem do princípio do Poluidor-Pagador, bem como o fornecimento dos Equipamentos de Proteção Individual. A Constituição Federal de 1988 traz o fundamento jurídico de ambos os ramos do direito em questão: em seu artigo 7º fundamenta os direitos dos trabalhadores; já o art. 225, estabelece que o meio ambiente ecologicamente equilibrado é essencial à sadia qualidade de vida. Em sendo o meio ambiente uno e indivisível, o meio ambiente do trabalho está inserido nesse contexto. Também, verifica-se que a vida a que se refere o artigo em comento é a humana, marcando, assim, a fundamentação filosófica seguida nesta pesquisa, qual seja, a antropocêntrica. O princípio do Poluidor-Pagador, constante no § 3º do artigo 225 da CF/88, busca a fixação dos custos da poluição ambiental dentro do processo produtivo, evitando-se a transposição de tais custos para a sociedade. Conclui-se, que o princípio do Poluidor-Pagador tem aplicação no direito do trabalho, percebendo-se a sua aplicação no adicional de insalubridade e pela obrigação de uso de EPI, devendo ser revisto os valores e cumulações de adicionais, concretizando-se o princípio do direito ambiental apresentado, internalizando os custos da poluição ambiental de forma mais ampla do que a ora tida.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.programPrograma de pós-graduação em direito ambientalpt_BR
dc.relation.referencesALEXY, Robert. Teoria dos direitos fundamentais. Tradução de Virgílio Afonso da Silva. São Paulo: Malheiros, 2008. AMAZONAS. Constituição do Estado do Amazonas. Manaus: ProGraf, 2005. ANDRADE, Laura Martins Maia de. Meio ambiente do trabalho e ação civil pública trabalhista. São Paulo: Juarez de Oliveira, 2003, p. 108. ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito Ambiental. 10. ed. rev. ampl. e atual. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2007. BARROS, Wellington Pacheco. Curso de direito ambiental. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2008. BELFORT, Fernando José Cunha. Meio ambiente do trabalho: competência da justiça do trabalho. São Paulo: LTr, 2003. ______. A responsabilidade do empregador na degradação do meio ambiente do trabalho e suas conseqüências jurídicas no âmbito do direito do trabalho. São Paulo (SP): PUC, 2008. Tese de Doutorado em Direito, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2008. BOBBIO, Norberto. Teoría general del derecho. Santa Fe de Bogotá, Colômbia: 1999. ______. Teoria do ordenamento jurídico. Tradução de Ari Marcelo Solon. São Paulo: Edipro, 2011. BRANCO, Ana Paula Tauceda. A colisão de princípios constitucionais no direito do trabalho. São Paulo: LTr, 2007. BRASIL. CONAMA. Resolução nº 237, de 19 de dezembro de 1997. Dispõe sobre a definição de licenciamento ambiental, licença ambiental, estudos ambientais e impacto ambiental e revoga dispositivos da resolução CONAMA nº 1, de 23 de janeiro de 1986. In: PINTO, Antonio Luiz de Toledo; WINDT, Márcia Cristina Vaz dos Santos; CÉSPEDES, Lívia. (col.) Legislação de direito ambiental. São Paulo: Saraiva, 2009. p. 508-516. ______. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988. ______. Decreto-lei n.º 5.452, de 1º de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/Del5452.htm>. Acesso em: 10 jan. 2011. ______. Decreto n.º 6.341, de 04 de janeiro de 2008. Dá nova redação a dispositivos do Anexo I e altera o Anexo II, “a”, do Decreto no 5.063, de 3 de maio de 2004, que aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções Gratificadas do Ministério do Trabalho e Emprego. Disponível em: <http://www.planalto. gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Decreto/D6341.htm>. Acesso em: 03 set. 2012. 75 ______. Lei Complementar n.º 75, de 20 de maio de 1993. Dispõe sobre a organização, as atribuições e o estatuto do Ministério Público da União. Brasília: Senado Federal, 1993. ______. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília: Senado Federal, 1981. ______. Lei n.º 7.347, de 24 de julho de 1985. Disciplina a ação civil pública de responsabilidade por danos causados ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico (vetado), e dá outras providências. Brasília: Senado Federal, 1985. ______. Lei n.º 7.369, de 20 de setembro de 1985. Institui salário adicional para os empregados no setor de energia elétrica, em condições de periculosidade. Brasília: Senado Federal, 1985. ______. Lei n.º 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília: Senado Federal, 1990. ______. Lei n.º 9.433, de 08 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989. ______. Lei n.º 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1º, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Brasília: Senado Federal, 2000. ______. MTE. Norma regulamentadora de Equipamentos de Proteção Individual (NR-04). Brasília, 2009. Disponível em: <http://portal.mte.gov.br/data/files/8A7C812D36A2800001388128376306AD/NR-04%20(atualizada).pdf >. Acesso em: 14 de abr. de 2012. ______. MTE. Norma regulamentadora de Equipamentos de Proteção Individual (NR-06). Brasília, 2011. Disponível em: <http://portal.mte.gov.br/data/files/8A7C8 12D36A2800001388130953C1EFB/NR-06%20(atualizada)%202011.pdf>. Acesso em: 14 de abr. de 2012. ______. MTE. Norma regulamentadora de Equipamentos de Proteção Individual (NR-15). In: PINTO, Antonio Luiz de Toledo; WINDT, Márcia Cristina Vaz dos Santos; CÉSPEDES, Lívia. (col.) Segurança e medicina do trabalho. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2010. p. 197-284. ______. MTE. Norma regulamentadora de Equipamentos de Proteção Individual (NR-16). In: PINTO, Antonio Luiz de Toledo; WINDT, Márcia Cristina Vaz dos Santos; CÉSPEDES, Lívia. (col.) Segurança e medicina do trabalho. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2010. p. 285-295. 76 ______. Superior Tribunal de Justiça. Mandado de Segurança n.º 16.074-DF. Impetrante: BR Genética Ltda. Impetrado: Ministro de Estado da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Relator: Ministro Arnaldo Esteves Lima. Brasília, 09 de novembro de 2011. Disponível em: <https://ww2.stj.jus.br/revistaeletronica/Abre_ Documento.asp?sLink=ATC&sSeq=18867295 &sReg=201100123180&sData=20120621&sTipo=5&formato=PDF>. Acesso em: 07 set. 2012. ______. Supremo Tribunal Federal. Ação direta de inconstitucionalidade n.º 3.540-MC/DF. Requerente: Procurador-Geral da República. Requerido: Presidente da República. Relator: Ministro Celso de Mello. Brasília, DF, 01 de setembro de 2005. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarJurisprudencia.asp?s1=%28ADI%24%2ESCLA%2E+E+3540%2ENUME%2E%29+OU+%28ADI%2EACMS%2E+ADJ2+3540%2EACMS%2E%29&base=baseAcordaos>. Acesso em: 08 de set. de 2012. ______. Tribunal Regional do Trabalho da 16ª Região. Recurso Ordinário nº 303200701516009 MA 00303-2007-015-16-00-9. Recorrente: Brasília Serviços de Informática Ltda. Recorrido: Giordano Bruno Silva Duarte. Recorrido: Caixa Econômica Federal. Relator: James Magno Araújo Farias. Brasília, 16 de janeiro de 2008. Disponível em: <http://www.trt16.jus.br>. Acesso em: 07 jul. 2012. ______. Tribunal Regional do Trabalho da 2.ª Região (São Paulo). Recurso ordinário n.º 2071200506202005-SP (02071-2005-062-02-00-5). Recorrente: Servline Serviços Limitada Me. Recorrido: Gustavo Shionato Vezoni. Relatora: Ivani Contini Bramante. São Paulo, SP, 19 de junho de 2007. Disponível em: <http://www.trtsp.jus.br/menu/menu_jurispru dencia.htm>. Acesso em: 15 de ago. de 2012. CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito constitucional e teoria da constituição. Coimbra: Almedina, 1997. ______. Direito Constitucional Ambiental Brasileiro. 2. Ed. rev. São Paulo: Saraiva, 2008. CAMARGO, Thaísa Rodrigues Lustosa de. O princípio da precaução e o meio ambiente do trabalho. Manaus (AM): UEA, 2011. Dissertação de Mestrado em Direito Ambiental, Escola Superior de Ciências Sociais, Universidade do Estado do Amazonas, 2011. CAMARGO, Thaísa Rodrigues Lustosa de; CAMARGO, Serguei Aily Franco de. O princípio do poluidor-pagador e o meio ambiente do trabalho. Revista âmbito jurídico. Disponível em: http://www.ambito-jurídico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo _id=9163# <acesso em 26.05.2011> DANTAS, Aldemiro; MALFATTI, Alexandre David; CAMARGO, Elizeu Amaral; LOTUFO, Renan. (Coord.) Lacunas do ordenamento jurídico. Barueri, SP: Manole, 20005. DANTAS JÚNIOR, Aldemiro Rezende. Curso básico de direito individual do trabalho. 2. ed. São Paulo: Baraúna, 2008. DECLARAÇÃO do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Disponível em: <http://www.onu.org.br/rio20/img/2012/01/rio92.pdf> Acesso em: 03 ago. 2012. DELGADO, Mauricio Godinho. Curso de direito do trabalho. 1ª Ed. São Paulo: LTr, 2002. 77 DERANI, Cristiane. Direito ambiental econômico. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2008. DIAS, Jose de Aguiar. Da responsabilidade civil. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1995. DINIZ, Maria Helena. As lacunas no direito. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 1999. FERNANDES, Fábio. Meio ambiente geral e meio ambiente do trabalho: uma visão sistêmica. São Paulo: LTr, 2009. FERNANDES, Francisco; LUFT, Celso Pedro; GUIMARÃES, F. Marques. Dicionário brasileiro globo. 38. ed. São Paulo: Globo, 1995. FERRARI, Cristiane A. M. de lima. Parâmetros do direito ambiental: Uma proposta para a eficiência do direito ambiental. São Paulo (SP): PUC, 2009. Tese de Doutorado em Direito, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2009. FERREIRA; OLIVEIRA, Rafael dos Santos de (COORD.). Direito ambiental contemporâneo – prevenção e precaução. Curitiba: Juruá, 2009. FIGUEIREDO, Guilherme José Purvin de. Direito ambiental e a saúde dos trabalhadores. 2. ed. São Paulo: LTr, 2007. ______. Curso de direito ambiental. 4. ed. rev. atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011. FIGUEIREDO, Mariana Filchtiner. Direito à saúde: leis ns. 8.080/90 e 8.142/90. Salvador: JusPodivm, 2009. FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. Curso de direito ambiental brasileiro. 6. ed. ampl. São Paulo: Saraiva, 2005. FONSECA, Ozório José de Menezes, BARBOSA, Walmir de Albuquerque e MELO, Sandro Nahmias. Manual de normas para elaboração de monografias, disser tações e teses. Manaus: Governo do Estado do Amazonas/Universidade do Estado do Amazonas, 2005. GARCIA, Gustavo Filipe Barbosa. Meio ambiente do trabalho: direito, segurança e medicina do trabalho. 2. ed. rev. atual. e ampl. São Paulo: Método, 2009. ______. Acidentes do trabalho: doenças ocupacionais e nexo técnico epidemiológico. 3. ed. São Paulo: Método, 2010. JUNIOR, Dempsey Pereira Ramos. A amplitude do conceito jurídico de futuras gerações e do respectivo direito ao memio ambiente ecologicamente equilibrado. Manaus (AM): UEA, 2011. Dissertação de Mestrado em Direito Ambiental, Escola Superior de Ciências Sociais, Universidade do Estado do Amazonas, 2011. LEITE, Carlos Henrique Bezerra. Ministério Público do Trabalho: doutrina, jurisprudência e prática: ação civil pública, ação anulatória, inquérito civil. 3. ed. São Paulo: LTr, 2007. 78 LEWICKI, Bruno. A privacidade da pessoa humana no ambiente do trabalho. Rio de Janeiro: Renovar, 2003. MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito ambiental brasileiro. 17. ed. rev. ampl. e atual. São Paulo: Malheiros, 2009. MALUF, Sahid. Teoria geral do estado. 26. ed. São Paulo: Saraiva, 2003. MAXIMILIANO, Carlos. Hermeneutica e aplicação do direito. Rio de Janeiro: Forense, 2010. MELO, Raimundo Simão de. Direito ambiental do trabalho e saúde do trabalhador: responsabilidades legais, dano material, dano moral, dano estético, indenização pela perda de uma chance, prescrição. 4. ed. São Paulo: LTr, 2010. MELO, Sandro Nahmias. Meio ambiente do trabalho: direito fundamental. São Paulo: LTr, 2001. ______. Meio ambiente do trabalho e greve ambiental. Revista Anamatra. Ano XVIII. N. 54. 1. sem. 2008, p. 47-53. ______. Meio ambiente do trabalho e greve ambiental. Hiléia: Revista de Direito Ambiental da Amazônia, Manaus, v. 1, n. 7, 151-165, julho-dezembro 2006. ______. Meio ambiente equilibrado e a garantia do conteúdo essencial dos direitos fundamentais. Hiléia: Revista de Direito Ambiental da Amazônia, Manaus, v. 1, n. 2, 231-248, janeiro-julho 2004. MORAES, Giovani Araújo. Normas regulamentadoras comentadas. 5. ed. vol. 1. rev. ampl. e atual. Rio de Janeiro: GVC, 2005. ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Convenção nº 155, de 22 de junho de 1981. In: PINTO, Antonio Luiz de Toledo; WINDT, Márcia Cristina Vaz dos Santos; CÉSPEDES, Lívia. (col.) Segurança e medicina do trabalho. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2010. p. 755-760. REALE, Miguel. Lições preliminares de direito. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1974. ROCHA, Jefferson Marçal da. Política internacional para o meio ambiente: avanços e entraves pós Conferência de Estocolmo. In: SPAREMBERGER, Raquel Fabiana e Lopes; PAVIANI, Jayme (orgs.). Direito Ambiental: um olhar para a cidadania e sustentabilidade planetária.Caxias do Sul: Educs, 2006. ROCHA, Julio Cesar de Sá da. Direito ambiental do trabalho: mudança de paradigma na tutela jurídica à saúde do trabalhador. São Paulo: LTr, 2002. SADY, João José. Direito do meio ambiente de trabalho. São Paulo: LTr, 2000. SANTOS, Adelson Silva dos. Fundamentos de direito ambiental do trabalho. São Paulo: LTr, 2010. 79 SARAIVA, Renato. Curso de direito processual do trabalho. 5ª Ed. São Paulo: Método, 2008. SILVA, De Plácido e. Vocabulário jurídico conciso. Atualizadores Nagib Slaibi Filho e Gláucia Carvalho. 1. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2008. SILVA, José Afonso da. Direito ambiental constitucional. 8. ed. ataul. São Paulo: Malheiros, 2010. SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. A constituição e o supremo. 4. ed. Brasília: Secretaria de Documentação, 2011. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS. Legislação ambiental do Brasil. 7. ed. Manaus: TJAM, 2011. VEIGA, José Eli da. Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. 3. ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.pt_BR
dc.subject.cnpqMeio ambientept_BR
dc.publisher.initialsUEApt_BR
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO - PPGDA Programa de Pós-Graduação em Direito Ambiental

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
O PRINCÍPIO DO POLUIDOR-PAGADOR E O MEIO AMBIENTE DO TRABALHO.pdf460,76 kBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons