DSpace logo

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorioinstitucional.uea.edu.br//handle/riuea/1974
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorGuerra, Laís Batista-
dc.date.available2019-12-19-
dc.date.available2019-12-18T17:36:38Z-
dc.date.issued2016-11-01-
dc.identifier.urihttp://repositorioinstitucional.uea.edu.br//handle/riuea/1974-
dc.description.abstractThe environmental services are indispensable for the maintenance of life and well-being on the planet. The command and control legal instruments represent an important ecosystem protection tool, but they are not sufficient to ensure their conservation and recovery associated with social equity. Recognition of the value of environmental services and the need for encouragement and consideration to those who create the conditions for that are provided by nature, by the maintenance of ecosystems, is an important complementary instrument. The theme proposed in this research includes the study of payment for environmental services and their legal protection in Brazil as well as the analysis of interrelation with relevant socioenvironmental issues to promote sustainable development in the environmental, social and economic. It aims to analyze how the payment system for environmental services can encourage environmentally friendly behavior and contribute to the promotion of sustainable development in its multidimensional aspect, as well as to examine the legal protection of this institute in Brazil. It addresses key experiences implemented in Latin America, such as the National Policies established in Costa Rica and Mexico, as well as some programs developed in Brazil, as PROAMBIENTE, ―Bolsa Floresta‖ in Amazonas, ―Bolsa Verde Federal‖ and ―Bolsa Verde‖ in Minas Gerais. It examines also the main features, experiences and critiques related to carbon markets. It concludes, finally, that the formulation in Brazil of a National Policy of Payment for Environmental Services is needed, as has occurred in other countries in Latin America, with the effective participation and favoring the populations involved, which will contribute to the efficient and legally secure implementation of this mechanism in the country and give effect to the constitutional and legal commands for the conservation of nature, besides serving as environmental and economic development tool. The scientific research was carried out using the deductive method of approach. For data collection, it adopted the qualitative research, literature and documents. KEYWORDS: Payment for Environmental Services; Socioenvironmental Justice; Sustainable development.pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade do Estado do Amazonaspt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.rightsAtribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/*
dc.subjectSustentabilidadept_BR
dc.subjectServiços ambientaispt_BR
dc.subjectDesenvolvimentopt_BR
dc.titlePagamento por serviços ambientais: justiça socioambiental e proteção jurídica no Brasilpt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.date.accessioned2019-12-18T17:36:38Z-
dc.contributor.advisor1Pozzetti, Valmir César-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/5925686770459696pt_BR
dc.contributor.referee1Pozzetti, Valmir César-
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/5925686770459696pt_BR
dc.contributor.referee2Nascimento, Izaura Rodrigues-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/3909167647909530pt_BR
dc.contributor.referee3Fraxe, Jaiza Maria Pinto-
dc.contributor.referee3Latteshttp://lattes.cnpq.br/9798234172004370pt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/5409029178147418pt_BR
dc.description.resumoOs serviços ambientais são indispensáveis para a manutenção da vida e do bem-estar no planeta. Os instrumentos jurídicos de comando e controle representam uma importante ferramenta de proteção dos ecossistemas, mas não são suficientes para garantir a sua conservação e recuperação, associada à equidade social. O reconhecimento do valor dos serviços ambientais e da necessidade de incentivo e contraprestação àqueles que criam condições para que sejam prestados pela natureza, por meio da manutenção dos ecossistemas, é um importante instrumento complementar. O tema proposto nesta pesquisa contempla o estudo do Pagamento por Serviços Ambientais e de sua proteção jurídica no Brasil, bem como a análise da inter-relação com questões socioambientais relevantes para a promoção do desenvolvimento sustentável, sob os aspectos ambiental, social e econômico. Objetiva analisar de que forma o sistema de Pagamento por Serviços Ambientais pode estimular comportamentos ambientalmente adequados e contribuir para a promoção do desenvolvimento sustentável, em seu aspecto multidimensional, bem como examinar a proteção jurídica desse instituto no Brasil. Aborda as principais experiências implementadas na América Latina, como as Políticas Nacionais estabelecidas na Costa Rica e no México, além de alguns programas desenvolvidos no Brasil, como o PROAMBIENTE, o Bolsa Floresta do Estado do Amazonas, o Bolsa Verde Federal e o Bolsa Verde de Minas Gerais. Examina, ainda, as principais características, experiências e críticas relativas aos mercados de carbono. Conclui, por fim, que é necessária a formulação no Brasil de uma Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais, a exemplo do que ocorreu em outros países da América da Latina, com a efetiva participação e favorecimento das populações envolvidas, o que contribuirá para a implementação eficiente e juridicamente segura desse mecanismo no país e dará efetividade aos comandos constitucionais e legais relativos à conservação da natureza, além de servir como instrumento de desenvolvimento socioambiental e econômico. A pesquisa científica foi realizada por meio do método de abordagem dedutivo. Para o levantamento de dados, foi adotada a pesquisa qualitativa, bibliográfica e documental. PALAVRAS-CHAVE: Pagamento por Serviços Ambientais; Justiça Socioambiental; Desenvolvimento Sustentável.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.programPrograma de pós graduação em direito ambientalpt_BR
dc.relation.referencesACSELRAD, Henri. Ambientalização das lutas sociais – o caso do movimento por justiça ambiental. pp. 103-119. In: Estudos Avançados, vol. 24, nº 68. São Paulo: USP, 2010. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/eav/issue/view/757>. Consultado em 10 out 2016. ACSELRAD, Henri; HERCULANO, Selene; PÁDUA, José Augusto (Org.). Justiça Ambiental e Cidadania. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004. ALEXY, Robert. Teoria dos Direitos Fundamentais. Tradução de Virgílio Afonso da Silva. São Paulo: Malheiros, 2008. ALTMANN, Alexandre; BUTZKE, Alindo. Pagamento por serviços ambientais como promotor da agroecologia e da segurança alimentar. pp. 423-434. In: BENJAMIM, Antonio Herman; IRIGARAY, Carlos Teodoro; LECEY, Eladio e CAPPELI, Silvia. Florestas, mudanças climáticas e serviços ecológicos. vol. 1. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010. ANDERSON, Anthony B. Redução de Emissões Oriundas do Desmatamento e Degradação Florestal (REDD): Desafios e Oportunidades. 2009. Disponível em <http://www.mudancasclimaticas.andi.org.br/content/reducao-de-emissoes-oriundas-do-desmatamento-e-degradacao-florestal-redd-desafios-e-oportunidades>. Consultado em 28 ago 2016. AMAZONAS. Lei nº 3135/07 – Política Estadual sobre Mudanças Climáticas. Assembleia Legislativa do Estado, Manaus, 2007. . Decreto nº 26.958/07 – Institui o Programa Bolsa Floresta. Governo do Estado do Amazonas, Manaus, 2007. . Lei Complementar nº 53/07 – Sistema Estadual de Unidades de Conservação. Assembleia Legislativa do Estado, Manaus, 2007. . Lei Complementar nº 57/07 – Sistema Estadual de Unidades de Conservação. Assembleia Legislativa do Estado, Manaus, 2007. . Lei nº 4.266/15 - Política de Serviços Ambientais do Amazonas. Assembleia Legislativa do Estado, Manaus, 2015. ARAGÃO, Alexandra. Direito Constitucional da União Europeia. pp. 34-82. In CANOTILHO, Joaquim José Gomes; LEITE, José Rubens Morato (Org). Direito Constitucional Ambiental Brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2012. 173 . O princípio do poluidor pagador: pedra angular da política comunitária do ambiente. Sao Paulo: Instituto O Direito por um Planeta Verde, 2014. ARRUDA, Rinaldo S. “Populações Tradicionais” e a Proteção dos Recursos Naturais em Unidades de Conservação. In: DIEGUES, Antonio Carlos (Org). Etnoconservação: novos rumos para a proteção da natureza nos trópicos. São Paulo: Hucitec e Nupaub, 2000. BATISTA, Djalma. Amazônia – Cultura e Sociedade. Manaus: Editora Valer, 2006. BENJAMIN, Antônio Herman. Introdução à Lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação. In: BENJAMIN, Antônio Herman (Coord). Direito ambiental das áreas protegidas: o regime jurídicos das unidades de conservação. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001. BITENCOURT, Ana Luisa Vietti; KRAUSPENHAR, Patrícia Maria. Possible Prehistoric Anthropogenic Effect on araucaria angustifolia (Bert.) O. Kuntze Expansion During the Late Holocene. In: Revista Brasileira de Paleontologia, vol. 9 (1) (jan-abr/2006). Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Paleontologia, 2006. BOBBIO, Norberto. Da estrutura à função: novos estudos de teoria do direito. Barueri: Manole, 2007. BÖRNER, Jan; WUNDER, Sven; REIMER, Florian; BAKKEGAARD, Riyong Kim; VIANA, Virgílio; TEZZA, João; PINTO, Thais; LIMA, Luiza; MAROSTICA, Suelen. Compensação por serviços ambientais, meios de vida e conservação: o Programa Bolsa Floresta. Manaus: Fundação Amazonas Sustentável, 2013. BRAGA, José dos Santos Pereira. O homem e a natureza: descaminhos e reconciliação. pp. 251-256. In: Revista da Academia Brasileira de Letras Jurídicas, vol. 5. Rio de Janeiro: ABLJ, 1994. BRASIL. Decreto-Lei nº 4.657/42 – Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro. Presidência da República, Brasília, 1942. . Lei nº 6.938/81 – Política Nacional do Meio Ambiente. Congresso Nacional, Brasília, 1981. . Constituição da República Federativa do Brasil. Assembleia Nacional Constituinte, Brasília, 1988. . Decreto nº 678/92 – Promulga a Convenção Americana sobre Direitos Humanos. Presidência da República, Brasília, 1992. . Decreto nº 591/92 – Promulga o Pacto Internacional sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais. Presidência da República, Brasília, 1992. . Decreto Legislativo nº 2/94 – Aprova o texto da Convenção sobre a Diversidade 174 Biológica. Senado Federal, Brasília, 1994. . Decreto nº 2.519/98 – Promulga a Convenção sobre a Diversidade Biológica. Presidência da República, Brasília, 1998. . Lei nº 9.795/99 – Política Nacional de Educação Ambiental. Congresso Nacional, Brasília, 1999. . Lei nº 9.985/00 – Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. Congresso Nacional, Brasília, 2000. . Decreto Legislativo nº 144/02 – Aprova o texto do Protocolo de Quioto. Congresso Nacional, Brasília, 2002. . Medida Provisória nº 10.836/03 – Institui o Programa Bolsa Família. Presidência da República, Brasília, 2003. . Lei nº 10.836/04 – Institui o Programa Bolsa Família. Congresso Nacional, Brasília, 2004. . Decreto nº 5.209/04 – Regulamenta o Bolsa Família. Presidência da República, Brasília, 2004. . Lei nº 10.933/04 – Dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2004/2007. Congresso Nacional, Brasília, 2004. . Decreto nº 6.040/07 – Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Presidência da República, Brasília, 2007. . Projeto de Lei nº 792/07 – Dispõe sobre a definição de serviços ambientais e dá outras providências. Câmara dos Deputados, Brasília, 2007. . Decreto nº 6.527/08 – Cria o Fundo Amazônia. Presidência da República, Brasília, 2008. . Projeto de Lei nº 5.487/09 - Institui a Política Nacional dos Serviços Ambientais, o Programa Federal de Pagamento por Serviços Ambientais e dá outras providências. Câmara dos Deputados, Brasília, 2009. . Lei nº 12.187/09 – Política Nacional sobre Mudança no Clima. Congresso Nacional, Brasília, 2009. . Lei nº 12.305/10 – Política Nacional de Resíduos Sólidos. Congresso Nacional, Brasília, 2010. . Medida Provisória nº 535/11 – Institui o Programa de Apoio à Conservação Ambiental. Presidência da República, Brasília, 2011. . Lei nº 12.512/11 – Institui o Programa de Apoio à Conservação Ambiental. Congresso Nacional, Brasília, 2011. 175 . Decreto nº 7.572/11 – Regulamenta o Programa de Apoio à Conservação Ambiental – Programa Bolsa Verde. Presidência da República, Brasília, 2011. . Decreto nº 7.492/11 – Institui o Plano Brasil Sem Miséria. Presidência da República, Brasília, 2011. . Lei nº 12.651/12 - Código Florestal. Congresso Nacional, Brasília, 2012. . Projeto de Lei do Senado nº 276/13 - Institui a Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais. Senado Federal, Brasília, 2013. . Parecer da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania sobre o PLS nº 276/13. Senado Federal, Brasília, 2015. . Lei nº 13.123/15 – Lei de Acesso ao Patrimônio Genético e ao Conhecimento Tradicional Associado. Congresso Nacional, Brasília, 2015. . Projeto de Lei nº 312/15 - Institui a Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais e dá outras providências. Câmara dos Deputados, Brasília, 2015. . Parecer do relator da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural ao PL nº 312/15, Deputado Evair de Melo. Disponível em <http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1399593&filename=PRL+1+CAPADR+%3D%3E+PL+312/2015>. Consultado em 02 ago 2016. BULLARD, Robert D.; JOHNSON, Glenn S. Environmental Justice: Grassroots Activism and Its Impact on Public Policy Decision Making. pp. 555-578. In: Journal of Social Issues, vol. 56, nº 3, 2000. CAMARGO, Thaísa Rodrigues Lustosa de. Tutela jurídica dos sistemas de compensação de serviços ambientais. 2015. Tese (Doutorado em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia). Universidade Federal do Amazonas, Manaus. CANOTILHO, Joaquim José Gomes; LEITE, José Rubens Morato (Org). Direito Constitucional Ambiental Brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2012. CLEMENT, Charles et al. The domestication of Amazonia before European conquest. In: The Royal Society, 2015. Disponível em < http://rspb.royalsocietypublishing.org/content/282/1812/20150813> Consultado em 23 abr 2016. COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO - CMMAD. Nosso Futuro Comum (Relatório Brundtland). Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1991. CONSTANZA, Robert; D‘ARGE, Ralph; GROOT, Rudolf de; FARBER, Stephen; GRASSO, Monica; HANNON, Bruce; LIMBURG, Karin; NAEEM, Sahid; O‘NEILL, Robert V.; 176 PARUELO, Jose; RASKIN, Robert G.; SUTTON, Paul; BELT, Marjan Van Den. The value of the world‟s ecosystem services and natural capital. pp. 253-260. In: Nature, v. 387, 1997. Disponível em <http://www.esd.ornl.gov/benefits_conference/nature_paper.pdf>. Consultado em 22 nov 2015. COSTA RICA. Lei nº 7.575/96 – Lei Florestal. Assembleia Legislativa da República de Costa Rica, San José, 1996. . Decreto Executivo nº 32.868/06. Presidência da República, San José, 2006. DERANI, Cristiane. Direito Ambiental Econômico. São Paulo, Max Limonad, 1997. DIEGUES, Antonio Carlos. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Hucitec/Nupaub-USP/CEC, 2008. . Etnoconservação da natureza: enfoques alternativos. In: DIEGUES, Antonio Carlos (Org). Etnoconservação: novos rumos para a proteção da natureza nos trópicos. São Paulo: Hucitec e Nupaub, 2000. DWORKIN, Ronald. Levando os Direitos a Sério. Tradução de Nelson Boeira. São Paulo: Martins Fontes, 2002. ELOY, Ludivine; COUDEL, Emilie; TONI, Fabiano. Implementando Pagamentos por Serviços Ambientais no Brasil: caminhos para uma reflexão críticas. pp. 21-42. In: Sustentabilidade em Debate, vol. 4, nº 1. Brasília, 2013. FEARNSIDE, Philip Martin. Rios voadores e a água de São Paulo – Série Completa. 2015. Disponível em <http://amazoniareal.com.br/rios-voadores-e-a-agua-de-sao-paulo>. Consultado em 19 nov 2015. . Serviços ambientais provenientes de florestas intactas, degradadas e secundárias na Amazônia brasileira. pp. 26-57. In: C.A. Peres, T.A. Gardner, J. Barlow & I.C.G. Vieira (eds.) Conservação da Biodiversidade em Paisagens Antropizadas do Brasil. Curitiba: Editora da Universidade Federal do Paraná, 2013. . Amazon Forest maintenance as a source of environmental services. In: Anais da Academia Brasileira de Ciências, vol. 80. Rio de Janeiro, 2008. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0001-37652008000100006>. Consultado em 19 nov 2015. . Modelos de uso de terra predominantes na Amazônia: um desafio para sustentabilidade. In: RIVAS, Alexandre; FREITAS, Carlos Edwar de Carvalho (Org.). Amazônia: uma perspectiva interdisciplinar. Manaus: Editora da Universidade do Amazonas, 2002. . Serviços ambientais da floresta amazônica como estratégia para a sustentação 177 da população rural na região. pp. 57-98 In: S. Watanabe - Anais do IV Simpósio de Ecossistemas Brasileiros. Águas de Lindóia, 1998. FEARNSIDE, Philip Martin; LUIZÃO, Flávio Jesus; NASCIMENTO, Henrique Eduardo Mendonça; CAMARGO, José Luis Campana; MESQUITA, Rita de Cássia Guimarães; LUIZÃO, Regina C. C. A Conservação da biodiversidade e dos serviços ambientais da floresta como base para o desenvolvimento sustentável da Amazônia: Resultados da Sub-Rede CONSERVAMAZONIA. pp. 11-15. In: Subprograma de Ciência e Tecnologia SPC&T Fase II/PPG7 (ed.). Anais da Conferência do Subprograma de Ciência e Tecnologia SPC&T Fase II/PPG7, realizado em Belém, Pará, Brasil, de 1 a 4 de dezembro de 2008. Brasília-DF: CNPQ, 2009. FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito: Técnica, Decisão, Dominação. São Paulo: Atlas, 2003. FERREIRA, José Ângelo; RIBEIRO, Edson Fracalossi de. Uma análise crítica ao Mecanismo de Desenvolvimento Limpo e seu desdobramento financista. pp. 51-68. In: Revista E-Tech: Tecnologias para Competitividade Industrial, vol. 7, nº 2. Florianópolis, 2013. FERREIRA NETO, Paulo Sérgio. Avaliação do Proambiente Programa de Desenvolvimento Socioambiental da Produção Familiar Rural. Brasília, 2008. Disponível em <http://www.mma.gov.br/estruturas/sds_proambiente/_arquivos/33_05122008040536.pdf >. Consultado em 04 ago 2016. FIOCRUZ; FASE. Mapa de Conflitos Envolvendo Injustiça Ambiental e Saúde no Brasil. Disponível em <http://www.conflitoambiental.icict.fiocruz.br/index.php>. Consultado em 07 fev 2016. FIORILLO, Celso Antônio Pacheco. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2011. FOLADORI, Guillermo; TOMMASINO, Humberto. El concepto de desarollo sustentable treinta años después. pp. 41-56. In: Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente: Teoria e metodologia em meio ambiente e desenvolvimento, nº 1 (jan-jun/2000). Curitiba: Editora da UFPR, 2000. FONAFIFO; CONAFOR; Ministerio de Medio Ambiente del Ecuador. Lecciones aprendidas para REDD+ desde los programas de pago por servicios ambientales e incentivos para la conservación. Ejemplos de Costa Rica, México y Ecuador. Washington: Banco Mundial, 2012. FONSECA, Antônio; SOUZA JÚNIOR, Carlos; VERÍSSIMO, Adalberto. Boletim do 178 desmatamento da Amazônia Legal (outubro de 2015) SAD (p. 10). Belém: Imazon, 2015. Disponível em < http://imazon.org.br>. Consultado em 18 nov 2015. FONSECA, Antônio; SOUZA JÚNIOR, Carlos; VERÍSSIMO, Adalberto. Boletim do desmatamento da Amazônia Legal (outubro de 2014) SAD (p. 10). Belém: Imazon, 2014. Disponível em < http://imazon.org.br>. Consultado em 18 nov 2015. FONSECA, Ozorio. Pensando a Amazônia. Manaus: Editora Valer, 2011. FRANCO, José Gustavo de Oliveira. Aspectos prático-jurídicos da implantação de um sistema de pagamento por serviços ambientais com base em estudo de caso. pp. 97-149. In: RECH, Adir Ubaldo (Org). Direito e economia verde: natureza jurídica e aplicações práticas do pagamento por serviços ambientais, como instrumento de ocupações sustentáveis. Caxias do Sul: Educs, 2011. FRANCO, José Gustavo de Oliveira; PRADO, Rafael Clemente Oliveira do. Los pagos por servicios ambientales (PSA) en Latinoamérica: casos del uso de recursos hídricos en el medio rural. In: LAVRATTI, Paula; TEJEIRO, Guillermo. Direito e mudanças climáticas: Pagamento por Serviços Ambientais: experiências locais e latino-americanas. São Paulo: Instituto O Direito por um Planeta Verde, 2014. FRAXE, Therezinha J. P. Homens anfíbios: etnografia de um campesinato das águas. São Paulo: Annablume; Fortaleza: Secretaria da Cultura e Desporto do Governo do Estado do Ceará, 2000. FUNDAÇÃO AMAZONAS SUSTENTÁVEL - FAS. Relatório de Atividades 2014. Manaus: FAS, 2015. . Relatório de Atividades 2015. Manaus: FAS, 2016. . Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes. 2015. Disponível em <http://fas-amazonas.org/versao/2012/wordpress/wp-content/uploads/2015/04/FAS-Demonstra%C3%A7%C3%B5es-Financeiras-+-Parecer-PwC_ 2014.pdf>. Consultado em 19 ago 2016. FURTADO, Celso. Introdução ao desenvolvimento: enfoque histórico-estrutural. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000. FURTADO, Fabrina. Ambientalismo de espetáculo: a economia verde e o mercado de carbono no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Instituto Políticas Alternativas para o Cone Sul - PACS, 2012. GADOTTI, Moacir. Pedagogia da Terra. São Paulo: Peirópolis, 2000. GOMES-POMPA, Arturo; KAUS, Andrea. Domesticando o Mito da Natureza Selvagem. pp. 124-147. In: DIEGUES, Antonio Carlos (Org). Etnoconservação: novos rumos para a 179 proteção da natureza nos trópicos. São Paulo: Hucitec e Nupaub, 2000. HALL, Anthony. Combating Deflorestation through REDD+ in the Brazilian Amazon: a New Social Contract?. pp. 79-98. In: Sustentabilidade em Debate, vol. 4, nº 1 (jan-jun/2013). Brasília, 2013. HART, Herbert Lionel Adolphus. O Conceito de Direito. Tradução de A. Ribeiro Mendes. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001. HERCOWITZ, Marcelo; MATTOS, Luciano; SOUZA, Raquel Pereira de. Estudo de casos sobre serviços ambientais. pp. 136-239. In: NOVION, Henry; VALLE, Raul (Org.). É pagando que se preserva? Subsídios para políticas de compensação por serviços ambientais. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2009. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo Agropecuário 2006: Agricultura Familiar – Primeiros Resultados. Rio de Janeiro, 2009. INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS – IEF. Bolsa Verde: Manual de Princípios, Critérios e Procedimentos para a Implantação da Lei nº 17.727 de agosto de 2008. Belo Horizonte, 2010. INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA – INCRA. Portaria nº 268 - Cria a modalidade de Projeto de Assentamento Agroextrativista – PAE. Brasília, 1996. . Portaria nº 477/99 - Cria a modalidade de Projeto de Desenvolvimento Sustentável – PDS. Brasília, 1999. . Portaria nº 1141/03 - Cria a modalidade de Projeto de Assentamento Florestal – PAF. Brasília, 2003. IRIGARAY, Carlos Teodoro. Pagamento por serviços ecológicos e o emprego de REDD para contenção do desmatamento na Amazônia. pp. 66-88. In: BENJAMIM, Antonio Herman; IRIGARAY, Carlos Teodoro; LECEY, Eladio e CAPPELI, Silvia. Florestas, mudanças climáticas e serviços ecológicos. vol. 1. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010. IRVING, Marta de Azevedo. Sustentabilidade e O futuro que não queremos: polissemias, controvérsias e a construção de sociedades sustentáveis. pp. 11-36. In: SESC, Departamento Nacional, vol. 9, nº 26 (set-dez/2014). Rio de Janeiro: Sesc, 2014. LEFF, Enrique. Saber Ambiental. Petrópoles: Vozes, 2001. LOUREIRO, Violeta Refkalefsky; PINTO, Jax Nildo Aragão. A questão fundiária na Amazônia. pp. 77-98. In: Estudos Avançados, vol. 19, nº 54 (mai-ago/2005). São Paulo: USP, 2005. Disponível em: < http://www.revistas.usp.br/eav/article/view/10071>. Consultado em 180 16 abr 2016. LYNCH, Owen J. Whither the People? Demographic, Tenurial, and Agricultural Aspects of the Tropical Forestry Action Plan. Washington: World Resources Institute, 1990. MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito Ambiental Brasileiro. São Paulo: Malheiros, 2014. MALAVASI, Edgar Ortiz. Sistema de Cobro y Pago por Servicios Ambientales en Costa Rica: Visión General. In: Feria de Soluciones Ambientales: La Experiencia de Costa Rica. Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo - PNUD. San José, 2003. Disponível em <http://www.ots.ac.cr/bnbt/30986.html>. Consultado em 01 out 2016. MATTOS, Luciano; FALEIRO, Airton; PEREIRA, Cássio. Uma proposta alternativa para o desenvolvimento da produção familiar rural da Amazônia: o caso PROAMBIENTE. In: IV Encontro Nacional da Sociedade Brasileira de Economia Ecológica (ECOECO). Pará, 2001. Disponível em <http://www.ecoeco.org.br>. Consultado em 06 ago 2016. MATTOS, Luciano Mansor de. Análise do Proambiente como política pública federal para a Amazonônia brasileira. pp. 721-749. In: Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 28, nº 3 (set/dez 2011). Brasília, 2011. MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo. São Paulo: Malheiros, 2010. MERCOSUL. Acordo-Quadro sobre Meio Ambiente do Mercosul. Assunção, 2001. Disponível em <http://www.mercosur.int/msweb/Normas/Tratado%20e%20Protocolos/Dec_ 002_001_Acordo%20Meio%20Ambiente_MCS_Ata%201_01.pdf>. Consultado em 29 jan 2016. MÉXICO. Ley General de Desarrollo Forestal Sustentable. Congresso da União, Cidade do México, 2003. MILARÉ, Edis. Direito do Ambiente. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2014. MINAS GERAIS. Lei nº 17.727/08 – Cria o Programa Bolsa Verde. Assembleia Legislativa do Estado, Belo Horizonte, 2008. MINAS GERAIS. Decreto nº 45.113/09 – Regulamenta o Programa Bolsa Verde. Governo do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Convenção sobre Diversidade Biológica. Brasília, 2000. . Um Novo Modelo de Desenvolvimento Rural para a Amazônia. Brasília, 2006. . Programa de Apoio à Conservação Ambiental – Bolsa Verde. Erradicar a extrema pobreza e conservar o meio ambiente. Brasília, 2013a. 181 . Informativo Bolsa Verde. Ano II, nº 2. Brasília, 2013b. . Lista de beneficiários com transferência de recursos financeiros cessado. 2014. Disponível em <http://www.mma.gov.br/images/arquivo/80200/lista_cessacao_beneficios_ novembro_2014.pdf>. Consultado em 10 ago 2016. . Resolução nº 03 - Institui os critérios e procedimentos para o diagnóstico e monitoramento da cobertura vegetal das áreas do Programa de Apoio à Conservação Ambiental - Programa Bolsa Verde. Brasília, 2015. . Programa Bolsa Verde – Relatório Consolidado. Disponível em <http://www.mma.gov.br/desenvolvimento-rural/bolsa-verde/fam%C3%ADlias-benefici%C3%A1rias/item/9141> Consultado em 10 ago 2016. . Lista de beneficiários com transferência de recursos financeiros cessado. 2016. Disponível em <http://www.mma.gov.br/images/arquivo/80199/lista_beneficiarios_excluidos _26.7.2016.pdf>. Consultado em 10 ago 2016. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília, 2013. MOLINARO, Carlos Alberto. Mínimo existencial ecológico e o princípio de proibição da retrogradação socioambiental. In: BENJAMIN, Antonio Herman (Org.). Direitos Humanos e Meio Ambiente - Human Rights and the Environment. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2006. MORIN, Edgar; KERN, Anne Brigitte. Terra Pátria. Porto Alegre: Sulina, 2003. NASCIMENTO, Izaura. Globalização Ambiental – Organizações não governamentais e redes na Amazônia. Manaus: Editora Valer e Fapeam, 2014. NODA, Sandra do Nascimento; NODA, Hiroshi; MARTINS, Ayrton Luiz Urizzi. Papel do processo produtivo tradicional na conservação dos recursos genéticos vegetais. In: RIVAS, Alexandre; FREITAS, Carlos Edwar de Carvalho (Org.). Amazônia: uma perspectiva interdisciplinar. Manaus: Editora da Universidade do Amazonas, 2002. NOVELINO, Marcelo. Direito Constitucional. São Paulo: Método, 2012. NUSDEO, Ana Maria de Oliveira. Pagamento por serviços ambientais: sustentabilidade e disciplina jurídica. São Paulo: Atlas, 2012. OLIVEIRA, Ana Carolina Campanha de; VILAR, Mariana Barbosa; JACOVINE, Laércio Antônio Gonçalves; SANTOS, Marcelo Oliveira; JACON, Aline Daniele. Histórico e implementação de sistemas de Pagamentos Por Serviços Ambientais no Estado de Minas Gerais. pp. 139-160. In: Sustentabilidade em Debate, vol. 4, nº 1 (jan-jun/2013). Brasília, 2013. OLIVEIRA, Luiz Rodrigues de; ALTAFIN, Iara Guimarães. PROAMBIENTE: Uma 182 política de pagamento por serviços ambientais no Brasil. Brasília, 2008. Disponível em <http://www.sober.org.br/palestra/9/421.pdf>. Consultado em 04 ago 2016. ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano. Estocolmo, 1972. Disponível em <http://www.onu.org.br/rio20/img/2012/01/estocolmo1972.pdf>. Consultado em 26 jan 2016. . Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Rio de Janeiro, 1992. Disponível em <http://www.onu.org.br/rio20/img/2012/01/rio92.pdf>. Consultado em 24 jan 2016. . Agenda 21. Rio de Janeiro, 1992. Disponível em <http://www.onu.org.br/rio20/img/2012/01/agenda21.pdf >. Consultado em 24 jan 2016. . Declaração Universal dos Direitos Humanos. Paris, 1998. Disponível em <http://www.dudh.org.br/wp-content/uploads/2014/12/dudh.pdf>. Consultado em 04 fev 2016. . Decisão nº 17 – Conferência das Partes no Protocolo de Quioto relativa ao MDL. 2001. Disponível em <http://www.mct.gov.br/upd_blob/0012/12919.pdf>. Consultado em 02 ago 2016. . Relatório-Síntese da Avaliação Ecossistêmica do Milênio. 2005. Disponível em <http://www.millenniumassessment.org/documents/document.446.aspx.pdf>. Consultado em 24 jul 2016. . Decisão nº 01 – Plano de Ação de Bali. 13ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro sobre Mundanças Climáticas (COP 13). 2007. Disponível em <http://www.mct.gov.br/upd_blob/0025/25027.pdf>. Consultado em 28 ago 2016. . Decisão nº 02 – Acordo de Compenhague. 15ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro sobre Mundanças Climáticas (COP 15). 2009. Disponível em <http://www.mct.gov.br/upd_blob/0211/211245.pdf>. Consultado em 28 ago 2016. . Declaração Final da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável: O Futuro que Queremos. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em <http://www.mma.gov.br/port/conama/processos/61AA3835/O-Futuro-que-queremos1.pdf>. Consultado em 08 fev 2016. . Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Nova Iorque, 2015. Disponível em <http://www.itamaraty.gov.br/images/ed_desenvsust/ODSportugues12fev2016.pdf>. Consultado em 15 mai 2016. . Acordo de Paris. Conferência das Partes da Convenção-Quadro sobre Mundanças Climáticas (COP 21). Paris, 2015. Disponível em <https://nacoesunidas.org/wp- 183 content/uploads/2016/04/Acordo-de-Paris.pdf>. Consultado em 15 mai 2016. . International Emissions Trading. Disponível em <http://unfccc.int/kyoto_protocol/mechanisms/emissions_trading/items/2731.php>. Consultado em 26 ago 2016. . Joint Implementation (JI). Disponível em <http://unfccc.int/kyoto_protocol/mechanisms/joint_implementation/items/1674.php>. Consultado em 26 ago 2016. PAGIOLA, Stefano. Payments for Environmental Services in Costa Rica. Munich Personal RePEc Archive Paper nº 2010, 2007. Disponível em <http://mpra.ub.uni-muenchen.de/2010/>. Consultado em 02 out 2016. PAPP, Leonardo. Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) como instrumento de concretização do Princípio do Protetor Recebedor (PPR): apontamentos iniciais a partir da função promocional do Direito Ambiental. pp. 446-468. In: Direito Ambiental II – XXI Congresso Nacional do Conpedi. Florianópolis: Fundação José Arthur Boiteux, 2012. PARKER, Charlie; MITCHELL, Andrew. The Little REDD Book: A guide to governmental and non-governmental proposals for reducing emissions from deforestation and degradation. Oxford: Global Canopy Foundation, 2008. PASCUAL, Unai; MURADIAN, Roldan; RODRÍGUEZ, Luis C.; DURAIAPPAH, Anantha. Revisiting the Relationship between Equity and Efficiency in Payments for Environmental Services. The United Nations Environment Programme, Paper nº 1, 2009. Disponível em <http://www.bioecon-network.org/pages/UNEP_publications/01%20equity% 20and%20efficiency.pdf>. Consultado em 29 jul 2016. PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito constitucional descomplicado. São Paulo: Método, 2012. PERALTA, Carlos E. O pagamento por serviços ambientais como instrumento para orientar a sustentabilidade ambiental. A experiência da Costa Rica. In: LAVRATTI, Paula; TEJEIRO, Guillermo. Direito e mudanças climáticas: Pagamento por Serviços Ambientais: experiências locais e latino-americanas. São Paulo: Instituto O Direito por um Planeta Verde, 2014. PIGLIA, Ricardo. Diálogos interdisciplinares para uma agenda socioambiental: breve inventário do debate sobre ciência, sociedade e natureza. pp. 21-39. In: Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente: Teoria e metodologia em meio ambiente e desenvolvimento, nº 1 (jan-jun/2000). Curitiba: Editora da UFPR, 2000. PORRAS, Ina. ¿Justo y Verde? Impactos sociales de los pagos por servicios ambientales 184 en Costa Rica. Londres: IIED, 2010. POSEY, Darrel Addison. Indigenous management of tropical forest ecosystems: the case of the Kayapó indians of the Brazilian Amazon. pp. 139-158. In: Agroforestry Systems, vol. 3. Netherlands, 1985. PRIEUR, Michel. Les Principes Généraux du Droit de L‟environnement. Université de Limoges. Disponível em <http://www.foad-mooc.auf.org/IMG/pdf/module_5.pdf>. Consultado em 30 jan 2016-a. . Le Principle de Précaution. Disponível em <http://www.legiscompare.fr/web/IMG/pdf/2-Prieur.pdf>. Consultado em 30 jan 2016-b. . Le Principe de Non Regression “Au Coeur” du Droit de L‟homme a L‟environnement. Revista Direito à Sustentabilidade, vol. 1, nº 2, 2015. Disponível em <http://e-revista.unioeste.br/index.php/.../article/.../8610>. Consultado em 31 jan 2016. PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO - PNUMA. Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável e a Erradicação da Pobreza – Síntese para Tomadores de Decisões. 2011. Disponível em <http://www.unep.org/greeneconomy>. Consultado em 08 fev 2016. REALE, Miguel. Lições Preliminares de Direito. São Paulo: Saraiva, 2004. RECH, Adir Ubaldo. O valor econômico e a natureza jurídica dos serviços ambientais. Orbis Revista Científica, vol. 3, nº 1, 2012. RECH, Adir Ubaldo. O valor econômico e a natureza jurídica dos serviços ambientais. pp. 49-69. In: RECH, Adir Ubaldo (Org). Direito e economia verde: natureza jurídica e aplicações práticas do pagamento por serviços ambientais, como instrumento de ocupações sustentáveis. Caxias do Sul: Educs, 2011. REDFORD, Kent H. The Ecologically Noble Savage. 1991. Disponível em <https://www.culturalsurvival.org/ourpublications/csq/article/the-ecologically-noble-savage>. Consultado em 15 mar 2016. . The Empty Forest. pp. 412-422. In: BioScience, vol. 42, nº 6. Oakland: University of California Press, 1992. ROUSSEAU, Jean-Jacques. Emílio ou Da educação. Tradução de Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995. . Do Contrato Social. Tradução de Rolando Roque da Silva. 2001. Disponível em <www.eBooksBrasil.com>. Consultado em 30 ago 2016. ROWN JR., K. S.; BROWN, G. G. Habitat alteration and species loss in Brazilian forests. pp. 119-142. In: WHITMORE, T. C. (Org.); SAYER, J. A. (Org.). Tropical Deforestation and 185 Species Extinction. Londres: Chapman & Hall, 1992. SAISSE, Maryane Vieira. Sustentabilidade e justiça social. pp. 97-121. In: SESC, Departamento Nacional, vol. 9, nº 26 (set-dez/2014). Rio de Janeiro: Sesc, 2014. SANTILLI, Juliana. Socioambientalismo e Novos Direitos: Proteção Jurídica à Diversidade Biológica e Cultural. São Paulo: Peirópolis, 2005. SARLET, Ingo Wolfgang. A Eficácia dos Direitos Fundamentais. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008. SARMENTO, Daniel. Direitos Fundamentais e Relações Privadas. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2004. SCHUMACHER. Mauro Valdir; HOPPE, Juarez Martins. A Floresta e a Água. Porto Alegre: Pallotti/Afubra, 1998. SILVA, José Afonso da. Direito Ambiental Constitucional. São Paulo: Malheiros, 2013. . Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2005. SILVA, José de Ribamar Sá; BOTELHO, Raimundo Edson Pinto. Expansão da Sojicultura e Perspectivas da Produção de Alimentos na Amazônia Legal na Atual Crise Mundial. Anales del XIV Encuentro de Geógrafos de América Latina. Santiago: UGI, 2013. SIOLI, Harald. Fundamentos da Ecologia da Maior Região de Florestas Tropicais. Tradução de Johann Becker. Petrópolis: Vozes, 1985. TAIYAB, Nadaa. Exploring the Market for „Development Carbon‟ through the voluntary and retail sectors. Londres: International Institute for Environment and Development (IIED), 2005. TAVARES, André Ramos. Curso de direito constitucional. São Paulo: Saraiva, 2011. TAVARES, Fred. “Sustentabilidade líquida”: o consumo da natureza e a dimensão do capitalismo rizomático nos platôs da sociedade de controle. pp. 71-95. In: SESC, Departamento Nacional, vol. 9, nº 26 (set-dez/2014). Rio de Janeiro: Sesc, 2014. THE WORLD BANK. Poverty & Equity. 2014. Disponível em <http://povertydata.worldbank.org/poverty/home/>. Consultado em 17 mai 2016. TOCANTINS, Leandro. O rio comanda a vida – uma interpretação da Amazônia. Manaus: Editora Valer, 2000. TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. Direitos Humanos e Meio-Ambiente: Paralelo dos Sistemas de Proteção Internacional. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1993. THOMÉ, Romeu. Manual de Direito Ambiental. Salvador: Juspodivm, 2012. UNGER, Nancy Mangabeira (Org.). Fundamentos Filosóficos do Pensamento Ecológico. São Paulo: Loyola, 1992. 186 VIANA, Virgílio M. Bolsa Floresta: um instrumento inovador para a promoção da saúde em comunidades tradicionais na Amazônia. In: Revista Estudos Avançados, vol. 22, nº 64. São Paulo, 2008. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-40142008000300009&script=sci_arttext>. Consultado em 29 nov 2015. VIOLA, Eduardo J.; LEIS, Hector R. A evolução das políticas ambientais no Brasil, 1971-1991: do bissetorialismo preservacionista para o multissetorialismo orientado para o desenvolvimento sustentável. In: HOGAN, Daniel Joseph; VIEIRA, Paulo Freire (Orgs.). Dilemas socioambientais e desenvolvimento sustentável. Campinas: Editora da UNICAMP, 1995. WUNDER, Sven. Payments for environmental services: some nuts and bolts. Jakarta: Center for International Forestry Research, Occasional Paper nº 42, 2005. Disponível em <http://www.cifor.org/publications/pdf_files/OccPapers/OP-42.pdf>. Consultado em 29 nov 2015. WÜNSCHER, Tobias; ENGEL, Stefanie; WUNDER, Sven. Payments for environmental services in Costa Rica: increasing efficiency through spatial differentiation. pp. 319-337. In: Quarterly Journal of International Agriculture 45, nº 4. Frankfurt, 2006. Disponível em <http://www.cifor.org/library/2178/payments-for-environmental-services-in-costa-rica-increasing-efficiency-through-spatial-differentiation/>. Consultado em 04 out 2016. Referências da internet: <http://fas-amazonas.org/pbf/>. Consultado em 29 nov 2015. <http://www2.camara.leg.br/proposicoesWeb>. Consultado em 29 nov 2015. < http://www25.senado.leg.br/web/atividade>. Consultado em 29 nov 2015. < http://www.stf.jus.br>. Consultado em 06 fev 2016. < http://www.prb.org>. Consultado em 23 abr 2016. <http://www.proambiente.cnpm.embrapa.br>. Consultado em 06 ago 2016. <http://www.mma.gov.br/desenvolvimento-rural/bolsa-verde>. Consultado em 09 ago 2016. <http://www.ief.mg.gov.br/bolsa-verde>. Consultado em 12 ago 2016. <http://www.fundoamazonia.gov.br>. Consultado em 28 ago 2016. <https://www.cne.go.cr>. Consultado em 01 out 2016.pt_BR
dc.subject.cnpqServiços ambientaispt_BR
dc.publisher.initialsUEApt_BR
Appears in Collections:DISSERTAÇÃO - PPGDA Programa de Pós-Graduação em Direito Ambiental



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons