DSpace logo

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorioinstitucional.uea.edu.br//handle/riuea/1159
Título: Conflitos entre seringueiros e índios na Amazônia: o caso dos Ashninka no alto Juruá e dos Apurinã no médio purus.
Título(s) alternativo(s): Conflicts between rubber tappers and Indians in the Amazon: the case of the Ashninka in upper Juruá and the Apurinã in the middle purus.
Autor(es): Magalhães, Jaciara Laranhaga
Palavras-chave: Conflitos, Seringueiros, indígenas
Indigenous people
Seringueiros
Indígenas
Conflicts
Data do documento: 17-Dez-2018
Editor: Universidade do Estado do Amazonas
Resumo: In the context of the rubber economy, the aim is to analyze the conflicts between rubber tappers and indigenous people during the expansion of the rubber plantations, through two cases: the Ashaninka in upper Juruá and the Apurinã in the middle Purus. In this sense, the aim is to clarify the conflicts between the main agents of the exploited territory (rubber tappers and indigenous people). Comparative documentary methodology was used to answer the following questions: How were the conflicts between the rubber tappers and the indigenous people during the expansion of the rubber plantations? What do the texts tell about this? What problems did this expansion cause for the Indians? It was noticed that the conflicts and their results, in both cases, have specificities. In the first case, the Ashaninka became allies of the rubber tappers, forming alliances, receiving weapons and ammunition to defend the rubber plantations of other indigenous groups. In the second case, the Apurinã went to war with the rubber tappers and were consequently incorporated into the rubber plantations, working on the extraction of the syringe.
Descrição: No âmbito do contexto da economia da borracha, pretende-se analisar os conflitos entre os seringueiros e os indígenas no decorrer da expansão dos seringais, através de dois casos: dos Ashaninka no alto Juruá e dos Apurinã no médio Purus. Neste sentido, busca-se explicitar os conflitos ocorridos entre os agentes principais do território explorado (seringueiros e indígenas). Fez-se uso da metodologia documental comparativa, para responder as seguintes questões: Como eram os conflitos entre os seringueiros e os indígenas no decorrer da expansão dos seringais? O que os textos relatam sobre esse assunto? Quais os problemas que essa expansão provocou para os indígenas? Percebeu-se que os conflitos e seus resultados, nos dois casos, têm especificidades. No primeiro caso, dos Ashaninka, estes se tornaram aliados dos seringueiros, formando alianças, recebendo armas e munições para defender os seringais de outros grupos indígenas. No segundo caso, dos Apurinã, entraram em guerra com os seringueiros e, consequentemente, foram incorporados aos seringais, trabalhando na extração da seringa. Palavras-chaves:
URI: http://repositorioinstitucional.uea.edu.br//handle/riuea/1159
Aparece nas coleções:Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons